Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Bolsonaro evita comentar pedido de Mandetta por "fala única" sobre vírus

Presidente disse que não "assiste à Globo" e, por isso, não viu a entrevista do ministro da Saúde que cobrou união para conter o coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro evitou comentar nesta segunda-feira, 13, sobre a entrevista concedida na véspera pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ao Fantástico, da TV Globo, em que ele cobrou um pedido de "fala única" no combate ao novo coronavírus para não confundir a população.

Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente disse para apoiadores e depois para jornalistas que não assistia à emissora. Desde o dia 2 de abril, Bolsonaro não dava declarações para a imprensa na frente da residência oficial. "Eu não assisto a Globo. Pessoal da imprensa, eu não assisto a Globo, tá ok? Bom dia para vocês", declarou. Antes, para apoiadores indagou quando perguntado: "vou perder tempo da minha vida assistindo a Globo agora?".

O ministro pediu para que as pessoas mantenham o isolamento social para conter o avanço da doença e afirmou que o cidadão não sabe se escuta "ministro ou presidente". Mandetta disse ainda que maio e junho serão os meses mais difíceis da crise. Enquanto Bolsonaro, em clara divergência, disse neste domingo, em videoconferência com lideranças religiosas, que a "questão do vírus está começando a ir embora".

"Tenho dito desde o começo, há 40 dias. Temos dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego. Quarenta dias depois, parece que está começando a ir embora a questão do vírus, mas está chegando e batendo forte o desemprego", afirmou o presidente na chamada com religiosos.

O mandatário e o ministro travam uma guerra fria em meio ao enfrentamento da covid-19. Para Bolsonaro, o isolamento social deveria ser vertical, voltado apenas para grupos de risco da doença. Já Mandetta defende o distanciamento social mais amplo.

Ontem, durante a entrevista, Mandetta também criticou o comportamento de pessoas que têm quebrado o isolamento. "Quando você vê as pessoas entrando em padaria, supermercado, fazendo fila, piquenique isso é claramente uma coisa equivocada", avaliou o ministro.

Na última quinta-feira, Bolsonaro ignorou orientações de distanciamento social e foi a uma padaria na Asa Norte, em Brasília. O chefe do Executivo provocou mais agrupamentos no dia seguinte quando foi a uma drogaria. Na ocasião ele fez questão de deixar claro: "ninguém vai tolher meu direito de ir e vir".

O presidente e seu auxiliar participaram no sábado, 11, de uma visita ao hospital de campanha em construção na cidade de Águas Lindas, no Goiás. Na ocasião, o presidente foi ao encontro de apoiadores, que se aglomeraram para cumprimentá-lo. Questionado sobre o comportamento, o ministro respondeu: "Eu procuro seguir uma lógica de não aglomeração", disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também