Brasil

Bolsonaro anula nomeação e escolhe novo presidente para Embratur

Nomeação de Gilson Machado Guimarães Neto foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (21)

Gilson Machado Guimarães Neto: empresário chefiava a Secretaria de Ecoturismo do Ministério do Meio Ambiente (YouTube/Reprodução)

Gilson Machado Guimarães Neto: empresário chefiava a Secretaria de Ecoturismo do Ministério do Meio Ambiente (YouTube/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 21 de maio de 2019 às 09h04.

Última atualização em 30 de maio de 2019 às 09h25.

Brasília — O presidente Jair Bolsonaro desistiu do executivo Paulo Roberto de Oliveira Senise para presidir o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) e nomeou para o comando do órgão o empresário Gilson Machado Guimarães Neto, que chefiava a Secretaria de Ecoturismo do Ministério do Meio Ambiente.

Guimarães Neto é empresário do setor de turismo nas cidades de São Miguel dos Milagres (AL) e Porto de Galinhas (PE). A nomeação do novo titular está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 21.

O documento traz ainda decreto presidencial que torna sem efeito a nomeação de Paulo Senise como presidente da Embratur. Executivo formado em Hotelaria, Senise já foi presidente da Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro (TurisRio) e sua nomeação para a Embratur havia sido formalizada no último dia 10. Ele tinha sido escolhido para substituir a ex-deputada Teté Bezerra (MDB-MT), que pediu demissão no fim de março.

A Embratur é um órgão da estrutura do Ministério do Turismo, comandado pelo ministro Marcelo Henrique Teixeira Dias, que é conhecido como Marcelo Álvaro Antônio e filiado ao PSL, mesmo partido de Bolsonaro. O motivo da anulação da nomeação de Paulo Senise não foi informado na publicação.

Acompanhe tudo sobre:EmbraturGoverno BolsonaroJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Mais na Exame