Brasil

61% dos LGBTs do país escondem sua orientação no trabalho

Em outros países, como a África do Sul, o percentual é mais baixo, mas continuam próximos dos 50%


	Dois homem de mãos dadas: deste total, 1.964 são lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans
 (GettyImages)

Dois homem de mãos dadas: deste total, 1.964 são lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans (GettyImages)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de fevereiro de 2016 às 18h33.

Apesar de 75% das empresas terem políticas que proíbem discriminação por identidade de gênero e orientação sexual, muitos profissionais LGBT não se sentem confortáveis para se assumirem no trabalho.

De acordo com um estudo divulgado no final de janeiro pelo Center for Talent Innovation, 61% dos funcionários LGBT no Brasil dizem esconder sua sexualidade para colegas e gestores.

A pesquisa foi feita em duas etapas e ouviu mais de 12,2 mil profissionais em países como China, Rússia, Cingapura, África do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e o Brasil.

Deste total, 1.964 são lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans.

No Brasil, além de 61% dos profissionais LGBT não assumirem sua orientação sexual ou a identidade de gênero, 49% disseram que não a escondem, mas não falam abertamente sobre o assunto no ambiente de trabalho e alteram o próprio comportamento para se integrar entre os colegas.

Em outros países, como a África do Sul, o percentual é mais baixo, mas continuam próximos dos 50%.

Nos Estados Unidos e na Inglaterra, estes percentuais caem para 30% e 28%, respectivamente.

O maior impedimento para assumir a sexualidade ou a identidade de gênero é a discriminação.

Ainda segundo o estudo, apesar dos avanços em relação ao tema, a homossexualidade é considerada um crime em 75 países, como Índia, Rússia e Cingapura.

Em oito deles, leis preveem pena de morte para quem tiver relações homoafetivas. Nestes países, o número de profissionais LGBT que assumem a orientação cai drasticamente.

Entre as 500 maiores empresas do mundo, citadas pela Fortune, 93% proíbem qualquer discriminação de identidade de gênero e orientação sexual.

Para a fundadora e CEO do Center for Talent Innovation, Sylvia Ann Hewlett, este fato tem ligação com a produtividade da empresa.

"Profissionais LGBT que trabalham para companhias que os fazem se sentir mais seguros em relação a qualquer discriminação tendem a ser mais engajados com o trabalho e a darem mais resultados", disse Hewlett.

Acompanhe tudo sobre:GaysLGBTMercado de trabalhoPreconceitos

Mais de Brasil

Jogo do Tigrinho deverá ter previsão de ganho ao apostador para ser autorizado; entenda as regras

Após águas baixarem, fóssil achado com 'preservação quase completa', é um dos mais antigos do mundo

Três aeroportos brasileiros estão entre os mais pontuais do mundo; veja ranking

Datena começa agenda de rua da pré-campanha sem garantir se será candidato

Mais na Exame