Índice de Preços de Alimentos da FAO cai pelo 7º mês consecutivo

Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) permaneceu quase estável em outubro, mas segue abaixo do pico de março
Alimentos: sétima queda seguida, aponta FAO (Mauricio Lima/AFP/AFP)
Alimentos: sétima queda seguida, aponta FAO (Mauricio Lima/AFP/AFP)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 04/11/2022 às 19:06.

Última atualização em 04/11/2022 às 19:39.

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) permaneceu praticamente inalterado no mês de outubro, mas ainda assim com leve queda, configurando sua sétima baixa seguida. O índice teve em outubro média de 135,9 pontos, ante 136,3 pontos em setembro, queda de 0,4 ponto (0,29%). 

Cadastre-se na newsletter EXAME Agro e fique por dentro das principais notícias do setor

O índice permaneceu 23,8 pontos (14,9%) abaixo de seu pico em março deste ano, mas ainda 2,7 pontos (2,0%) acima do seu valor no mês correspondente em 2021.

Segundo a FAO, houve queda nos índices de preços de todos os grupos de commodities, com exceção dos cereais, que registraram aumento mensal. 

Cereais sobem

O subíndice de preços dos cereais teve média de 152,3 pontos em outubro, aumento de 4,4 pontos (3%) em relação a setembro e 15,2 pontos (11,1%) acima de seu valor de outubro de 2021.

Os preços de referência internacionais de todos os principais cereais subiram no mês. De acordo com a organização, o trigo aumentou 3,2%, sustentado pela incerteza contínua sobre o acordo do corredor de grãos e diminuição na oferta dos EUA. Os preços do milho aumentaram 4,3%. Os preços globais da cevada tiveram crescimento marginal de 0,3%, enquanto o sorgo teve aumento de 3%.

O levantamento mensal da FAO apontou que o subíndice de preços dos Óleos Vegetais teve média de 150,1 pontos em outubro, queda mensal de 2,4 pontos (1,6%), mês a mês e ficando quase 20% abaixo do nível do ano passado. A queda contínua foi influenciada pela diminuição nos preços dos óleos de palma, soja e colza, que compensaram as cotações mais altas do óleo de girassol, também devido às incertezas relacionadas às exportações ucranianas.

Queda em carnes e leite

Na sondagem mensal da FAO, o subíndice de preços das carnes caiu em outubro. Conforme a FAO, os preços das carnes tiveram média de 118,4 pontos em setembro, com queda de 1,6 ponto (1,4% abaixo em relação a setembro), marcando o quarto declínio mensal após uma alta recorde em junho de 2022, mas se mantendo 6,4 pontos (5,8%) acima do mesmo período no ano anterior.

Segundo a entidade, as cotações de preços da carne bovina caíram ligeiramente, enquanto a carne suína apresentou queda substancial e a carne de aves caiu pelo quarto mês consecutivo.

O subíndice de preços de Laticínios, por sua vez, registrou média de 140,1 pontos em agosto, queda de 2,5 pontos (1,7%) em relação a setembro. Apesar de essa ser sua quarta baixa consecutiva, a média, porém, é 18,7 pontos (15,4%) acima do seu valor no mês correspondente ao ano passado. Segundo a FAO, em outubro, os preços internacionais de todos os produtos lácteos caíram.

A FAO calculou, ainda, que o subíndice de preços do açúcar ficou em média, 109 pontos em outubro, queda de 0,7 ponto (0,6%) em relação a setembro, marcando a sexta queda mensal consecutiva e atingindo seu nível mais baixo desde julho de 2021. Segundo a FAO, a queda foi influenciada pelas perspectivas de oferta da Índia, mas contida pelo progresso da colheita no Brasil, dificultado pelas chuvas.

(Informações de Estadão Conteúdo)


Notícias exclusivas de agro e o que movimenta o mercado

Você já conhece a newsletter semanal EXAME Agro? Receba na sua caixa de e-mail as principais notícias sobre o agronegócio e histórias dos empreendedores que fazem a diferença no campo. Cadastre-se aqui gratuitamente e acompanhe também o programa EXAME Agro no YouTube: