EXAME Agro

Apoio:

Logo TIM__313x500

Cuba: cooperativa de cana-de-açúcar luta contra apagões e escassez de insumos

País enfrenta atualmente sua crise mais severa desde a dissolução do bloco comunista soviético em 1991

Publicado em 4 de julho de 2024 às 14h23.

Última atualização em 4 de julho de 2024 às 14h27.

Na esteira de apagões frequentes e escassez de insumos, os trabalhadores da cooperativa de cana-de-açúcar Unidade Básica de Produção Cooperativa (UBPC) Rigoberto Corcho, localizada na província de Artemisa, oeste de Cuba, enfrentam bravamente os desafios econômicos. Fundada há três décadas para revolucionar a produção agrícola da ilha, a cooperativa agora se vê lutando para manter suas operações.

Enquanto a safra 2023-2024 chega ao fim sem anúncio oficial dos resultados, a UBPC se prepara para o próximo ciclo de plantio com recursos praticamente inexistentes. "A única coisa aqui é o sacrifício, a dedicação e a devoção à tarefa", disse à AFP Reinaldo Espinosa, 54 anos, administrador dessa cooperativa que, como todas as outras do gênero, vende suas colheitas ao Estado.

Espinosa ressalta que o rendimento da empresa caiu nos últimos cinco anos, de 84 para 28 toneladas de cana por hectare, e enumera uma série de obstáculos: "Zero fertilizante, zero herbicida", falta de combustível e apagões "com bastante frequência durante o horário de produção". "É muito difícil", diz ele. Ele exige que essa situação com os insumos "tem que mudar" para que a "produção de cana-de-açúcar" e o setor açucareiro, do qual o país já foi o maior exportador do mundo, sejam "resgatados".

Cuba enfrenta atualmente sua crise mais severa desde a dissolução do bloco comunista soviético em 1991. Os principais fatores incluem o endurecimento contínuo do embargo dos Estados Unidos, em vigor desde 1962, as deficiências estruturais de sua economia centralizada e os resultados aquém das expectativas da recente reforma financeira.

Estamos ociosos

As UBPCs surgiram em 1993 para lidar com a difícil situação enfrentada pelo setor agrícola do país, que havia perdido abruptamente 75% de seu comércio e sua quase única fonte de crédito, Moscou. A maioria das fazendas estatais foi então convertida em cooperativas que tomaram terras de usufruto do Estado, que também vendeu a seus antigos trabalhadores os meios de produção. Para multiplicar sua renda, a Rigoberto Corcho montou uma fábrica de laticínios, uma oficina onde fabrica ou conserta carrinhos para o transporte de cana-de-açúcar e outros equipamentos agrícolas, e uma fábrica de materiais de construção.

Na oficina, o soldador-mecânico José Clavijo aguarda ansiosamente a chegada da eletricidade e do oxigênio/acetileno para poder terminar uma solda. "Estamos ociosos, não temos nada com que trabalhar", diz o homem de 59 anos. Desde março, Cuba tem enfrentado outra série de apagões causados pela dificuldade do governo em adquirir combustível e equipamentos para consertar as usinas termoelétricas envelhecidas do país.

A falta de eletricidade e combustível também impede o uso de máquinas de irrigação e capina. Temos que "trabalhar com a guataca (enxada), que é o que estamos fazendo, e com facões, porque não temos mais nada", acrescenta Leonardo Hernández, 64 anos, outro líder de cooperativa. O silêncio também reina na fábrica de blocos, lajes e tanques de cimento devido à falta de matérias-primas. "Nas pedreiras também há problemas (com combustível) para trazer os materiais", diz a trabalhadora Mercedes Trujillo (57).

O pior momento

Até 1989, Cuba era o maior exportador de açúcar do mundo. Os Estados Unidos foram seu primeiro cliente até 1960. Depois veio a União Soviética, que comprava o produto a preços preferenciais. A queda da URSS precipitou o declínio do setor, que se acelerou com a queda dos preços do açúcar, a falta de investimentos e a redução das usinas de açúcar de 156 para 56.

Desde 2021, o grupo estatal AzCuba vem tentando interromper o declínio do setor, mas a safra de 2022-2023 mal chegou a 350.000 toneladas de açúcar, 4,4% do que Cuba produzia até o início da década de 1990.

A Rigoberto Corcho conseguiu superar seu plano de entrega de cana em 22% durante a safra que terminou em junho, com 10.250 toneladas, mas ao custo de "um grande sacrifício", diz Espinosa.
Ele considera que o setor está enfrentando "o pior momento" de sua história e que sua recuperação, que envolve "aumentar a semeadura", levará anos. Nesse esforço, ele pede a seus 180 trabalhadores que não esperem milagres. "O único caminho a seguir é a luta (para trabalhar)" e "quando a luz chegar, vamos nos juntar ao trabalho".

Acompanhe tudo sobre:CubaCana de açúcarAgricultura

Mais de EXAME Agro

Safra brasileira de soja deve atingir 153,2 milhões de toneladas neste ano, estima Abiove

Carne de porco: preços devem ter altas pontuais no segundo semestre

Argentina: falta de chuvas afeta plantio do trigo e afasta possibilidade de safra recorde

Eventos agro: Confira a agenda para os próximos dias

Mais na Exame