Tecnologia

Samsung pode ter a primeira greve de sua história

Não está claro como a paralisação afetará os negócios da empresa

Companhia busca retomar liderança no setor de chips (Wang Gang / Costfoto/Future Publishing/Getty Images)

Companhia busca retomar liderança no setor de chips (Wang Gang / Costfoto/Future Publishing/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 29 de maio de 2024 às 08h20.

A Samsung pode ter a primeira greve de sua história, aumentando os desafios para a maior empresa da Coreia do Sul, que busca se recuperar no setor de semicondutores.

Segundo a Bloomberg, o Sindicato Nacional de Eletrônicos Samsung, o maior dos vários sindicatos da gigante da tecnologia, com cerca de 28.000 trabalhadores, anunciou a decisão na quarta-feira, depois que as negociações salariais com a administração foram paralisadas. Os dois lados estão em discussões desde o início do ano, mas não conseguiram resolver suas diferenças.

“O que queremos não é um aumento salarial de 1-2%. O que queremos é ter um pagamento justo pela quantidade de trabalho realizado”, disse o sindicato em comunicado na frente dos escritórios da Samsung em Seul.

A decisão do sindicato ocorre num momento em que a Samsung, liderada pelo presidente executivo Jay Y. Lee, se encontra na posição incomum de tentar recuperar o atraso num setor-chave da indústria de chips. A rival local SK Hynix saltou para a liderança nos chips de memória usados ​​para o desenvolvimento de serviços de inteligência artificial, um setor de negócios em expansão.

"A empresa continua comprometida em se envolver nas negociações de boa fé com os sindicatos e está fazendo todos os esforços sinceros para chegar a um acordo”, afirmou a Samsung em comunicado.

Não está claro como a greve afetará os negócios da Samsung. Alguns dos trabalhadores sindicalizados planejam faltar ao trabalho no dia 7 de junho. Os líderes dizem que estimaram o número de trabalhadores que participarão do ato, mas recusaram-se a especificar o número.

Eles têm planos para uma greve subsequente caso a administração se recuse a participar de negociações.

As ações da Samsung caíram até 3,1% após a divulgação da greve, elevando a perda desde o pico de abril para mais de 10%.

Acompanhe tudo sobre:Samsung

Mais de Tecnologia

Trabalhe como um streamer: Santander oferece 8 mil bolsas de estudo para gamers

5G atinge 25,92 milhões de chips ativos, mas representa apenas 10% da base móvel no Brasil

Bain compra plataforma de educação PowerSchool por US$ 5,6 bilhões e fecha capital

Enchente em Porto Alegre pode ser vista no Google Maps após atualização

Mais na Exame