Questões técnicas podem prejudicar início do rodízio de água em SP

Questões técnicas na rede da região metropolitana de São Paulo podem prejudicar o início de um rodízio de água no curto prazo

Questões técnicas na rede da região metropolitana de São Paulo podem prejudicar o início de um rodízio de água no curto prazo, ainda que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) já considere essa possibilidade.

A instalação de válvulas e de novos reservatórios, além de estudos técnicos mais abrangentes sobre a rede, são itens necessários para que o rodízio não acabe aumentando as perdas de água e, assim, comprometendo seu objetivo, segundo especialistas e fontes do setor.

De acordo com uma fonte próxima da Sabesp ouvida pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, a estatal precisa instalar mais válvulas redutoras de pressão nas tubulações para controlar a volta da água na rede que estiver temporariamente seca devido ao rodízio.

O objetivo é não correr o risco de perder água no processo. "Também é preciso aumentar a reservação para evitar bombear a água o tempo todo", diz a fonte, acrescentando que os investimentos para essas medidas não são significativos e que elas podem ser concluídas em um mês.

Para o professor de Engenharia Hidráulica da Universidade Presbiteriana Mackenzie Antonio Eduardo Giansante, o processo para viabilizar o rodízio pode ser mais longo que um mês, pois, para realizar essas obras da melhor forma, a Sabesp teria que mapear melhor a rede.

"A rede foi correndo atrás da cidade, então em vários locais não se sabe direito como ela chega. É importante colocar válvulas, mas antes disso é preciso ter um conhecimento bom da rede. Isso não é um problema só da Sabesp, é do setor como um todo. Falta cadastro", afirma.

Segundo Giansante, as obras necessárias não são grandes. "Existem reservatórios pequenos e até mesmo alguns maiores que podem ser comprados. O que eu vejo como desafio é conhecer bem a rede. Você fecha um registro e não sabe direito onde está acabando a água", aponta o professor. "Seria complicado iniciar um rodízio agora. É possível, mas essa redução de pressão serviu para mostrar como tem coisas que fogem do controle pelo desconhecimento do traçado da rede", acrescenta.

A Sabesp trabalha desde o ano passado com redução da pressão nas tubulações, o que acaba deixando algumas áreas mais altas da cidade sem água, ainda que a companhia alegue não ser esse o objetivo da medida.

O presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Alceu Bittencourt, pondera, porém, que existe a possibilidade de um rodízio ser iniciado com a rede atual, ainda que caibam melhorias e que possa haver incerteza.

"Válvulas e reservação sempre melhoram a condição do sistema. Mas já foi feito um rodízio anos atrás com uma rede mais simples, com menos válvulas. Pode ser que haja incerteza sobre o efeito por que não se fez isso nos últimos anos", afirma.

Em 2000, a falta de chuva fez com que os paulistanos abastecidos pelo sistema Guarapiranga vivessem durante três meses com água racionada. O abastecimento ocorria por dois dias, enquanto no terceiro era cortado. O rodízio, iniciado em junho, só terminou em setembro.

Procurada, a Sabesp não quis se manifestar sobre o assunto, alegando não haver nenhuma decisão sobre o rodízio. No entanto, em reunião com prefeitos da região metropolitana na semana passada, o secretário de Recursos Hídricos, Benedito Braga, sinalizou a falta de preparo da rede. Braga afirmou que "pequenas obras serão necessárias" em caso de rodízio, sem entrar em maiores detalhes.

Após a reunião, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse a jornalistas que, segundo Braga, a Sabesp não está preparada para a adoção de rodízio neste momento. "Segundo o secretário, há uma série de medidas preparatórias que impedem a adoção imediata do racionamento. Mesmo que se quisesse fazer agora, a rede da Sabesp não está preparada para isso", afirmou então.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também