Tecnologia

Painel do clima da ONU quer evitar erros

Depois da publicação de estudos questionáveis, o IPCC pretende criar um grupo próprio de pesquisadores para aumentar a credibilidade do seu trabalho

IPCC admite que errou ao dizer que as geleiras do Himalaia poderiam sumir até 2035 (.)

IPCC admite que errou ao dizer que as geleiras do Himalaia poderiam sumir até 2035 (.)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de março de 2014 às 19h44.

Uma das propostas de cientistas para evitar novos erros em relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas (ONU), é formar um pequeno grupo de pesquisadores para se dedicar exclusivamente ao órgão. Atualmente, os cientistas são voluntários. O IPCC não faz pesquisas, somente avalia estudos já publicados. Mas o painel do clima, que chegou a ganhar o Prêmio Nobel da Paz em 2007, passa por uma crise depois que erros foram apontados em seu quarto relatório.

Um dos problemas foi incluir em um dos textos que as geleiras do Himalaia poderiam desaparecer até 2035. O IPCC admitiu, neste ano, que a informação está mal fundamentada cientificamente. Dados de textos da organização WWF acabaram sendo incluídos, por exemplo, o que não é aceitável

Hoje haverá uma reunião em Oxford em que os procedimentos para garantir a qualidade do próximo relatório do grupo serão discutidos. "Uma das questões que estão sendo discutidas é o fato de o trabalho do IPCC ser voluntário. Na época que eu estava tocando um dos capítulos, meu 'co-chair' era um pesquisador japonês da Honda. Ele tinha uma porção de estagiárias ajudando. No meu caso eu era só eu, eu e eu mesma", afirma Suzana Kahn, secretária nacional de Mudanças Climáticas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalClimaIPCC

Mais de Tecnologia

Empresas chinesas obtêm primeira licença de demonstração de carros inteligentes sem motorista

Apple vê estagnação nas vendas de iPhone enquanto mercado global de smartphones cresce

TikTok impulsiona crescimento da cultura sul-coreana e alcança R$ 777 bilhões

Google deve comprar empresa de cibersegurança por US$ 23 bilhões, diz WSJ

Mais na Exame