O impulso do e-commerce do Mercado Livre vai continuar no 2° trimestre?

Concorrentes como Amazon e Alibaba mostraram desaceleração do e-commerce nos últimos dias.
Mercado Livre: empresa planeja investir 10 bilhões de reais no Brasil este ano (Divulgação/Divulgação)
Mercado Livre: empresa planeja investir 10 bilhões de reais no Brasil este ano (Divulgação/Divulgação)
Por Thiago LavadoPublicado em 04/08/2021 06:00 | Última atualização em 05/08/2021 11:47Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

No primeiro trimestre do ano, o Mercado Livre viu o faturamento dobrar em relação ao que era um ano atrás. O boom do e-commerce durante a pandemia potencializou companhias como a varejista argentina.

Nesta quarta-feira, o Mercado Livre mostrará se o crescimento se manteve nos três meses seguintes A empresa divulga os resultados do segundo período de 2021 e a expectativa, de acordo com analistas, é um faturamento de 1,5 bilhão de dólares, alta de 70% em relação ao mesmo período de 2020.

Apesar disso, os lucros devem vir um pouco menores. A estimativa é de 0,09 centavos de dólar por ação, queda de 92% em relação ao mesmo trimestre há um ano, quando a pandemia atingiu os negócios em cheio.

O Mercado Livre está em expansão e brigando por competitividade contra gigantes como Amazon, além de brasileiras, incluindo Magazine Luiza, Via Varejo e B2W. No início do ano, a empresa anunciou um plano para investir 10 bilhões de reais no Brasil e inaugurou um quinto grande centro logístico no país, em Santa Catarina.

A indústria de varejo digital no Brasil passa por uma rápida consolidação e o Mercado Livre planeja ainda mais centros de distribuição no país, focando na região sudeste, enquanto compete com as outras companhias do setor.

Só falta combinar com a própria demanda: na semana passada, a gigante americana Amazon anunciou resultados de crescimento, mas que vieram abaixo do que era esperado pela primeira vez desde que a pandemia começou. A chinesa Alibaba também viu desaceleração do setor.

O Mercado Livre deve dar mais pistas dos próximos passos e do ritmo desse mercado nesta quarta-feira.