Mundo

Biden promete a estudantes que escutará protestos por Gaza e trabalhará por 'paz duradoura'

O presidente dos EUA, Joe Biden, durante seu discurso na cerimônia de formatura da Morehouse College em Atlanta, Geórgia, neste domingo, 19

O campus da faculdade no estado da Geórgia, no sudeste do país, foi um dos muitos cenários de protestos pró-palestinos que levaram as autoridades a intervir para expulsá-los (Eros Hoagland/Getty Images)

O campus da faculdade no estado da Geórgia, no sudeste do país, foi um dos muitos cenários de protestos pró-palestinos que levaram as autoridades a intervir para expulsá-los (Eros Hoagland/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 19 de maio de 2024 às 17h40.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu neste domingo (19) um cessar-fogo em Gaza e disse aos estudantes de uma universidade atingida por uma onda de protestos que ele estava trabalhando por "uma paz duradoura", incluindo a criação de um Estado palestino.

Ao discursar na universidade da cidade de Atlanta, onde estudou o ativista negro e herói dos direitos civis Martin Luther King, Biden, em campanha para a reeleição em novembro, disse que apoiava um acordo de paz em toda a região com "uma solução de dois Estados como a única solução".

O campus da faculdade no estado da Geórgia, no sudeste do país, foi um dos muitos cenários de protestos pró-palestinos que levaram as autoridades a intervir para expulsá-los. A visita do presidente tem como objetivo acalmar os ânimos e atingir o eleitorado afro-americano e os jovens.

"Eu apoio protestos pacíficos e não violentos. Suas vozes devem ser ouvidas e prometo que vou ouvi-las", disse Biden na cerimônia de formatura e entrega de diplomas na Morehouse College, em Atlanta. Um estudante deu as costas para Biden durante a cerimônia, mas o discurso do presidente não foi interrompido.

Raiva e frustração

Em meio à campanha eleitoral, os alunos da universidade cujo histórico é majoritariamente negro pediram à administração que cancelasse o discurso do democrata, destacando seu apoio explícito e de armamento a Israel.

Durante seu discurso, Biden também insistiu em um cessar-fogo em Gaza, no retorno dos reféns israelenses mantidos pelo grupo islamista Hamas e disse que estava trabalhando por "uma paz duradoura" em toda a região, incluindo "uma solução bidirecional entre os Estados", com a criação de um Estado palestino como "a única solução final" para o conflito de longa data.

"Esse é um dos problemas mais difíceis e complexos do mundo. Não há nada fácil nessa situação", disse o presidente democrata, que usava um roupão marrom e preto, as cores da Morehouse College. "Sei que isso irrita e frustra muitos de vocês, inclusive minha família, mas, acima de tudo, sei que parte o coração de vocês e o meu", disse ele.

Isso pode ter sido uma possível alusão à sua esposa Jill, que, de acordo com a mídia dos EUA, expressou preocupação com o número crescente de mortes de civis em Gaza e pediu que ele tomasse medidas para evitar isso.Esse é o encontro cara a cara mais direto de Biden com os estudantes desde a onda de manifestações pró-palestinas que varreu grande parte das universidades americanas.

Olhando para novembro

Ao vir para Morehouse, Biden queria prestar homenagem direta a Martin Luther King, mas muitos alunos enfatizaram que o líder civil negro se opôs à guerra e, em particular, à Guerra do Vietnã na década de 1960.
Biden inicialmente permaneceu em silêncio sobre os protestos contra a guerra de Israel em Gaza, em retaliação aos ataques do Hamas em 7 de outubro. Em seguida, ele declarou que "a ordem deve prevalecer" nos campi dos EUA, onde a polícia interveio para desmontar os acampamentos dos manifestantes.
Neste domingo, Biden aplaudiu quando o principal estudante da universidade, DeAngelo Jeremiah Fletcher, também pediu um cessar-fogo imediato em seu próprio discurso.
"É importante reconhecer que ambos os lados sofreram pesadas baixas desde 7 de outubro", disse Fletcher. Mas o firme apoio dos EUA a Israel deixa o campo democrata temeroso de perder votos entre os eleitores jovens e entre muitos apoiadores da causa palestina, incluindo os negros.
De modo mais amplo, as pesquisas mostram dificuldades mais amplas dos democratas em conquistar o apoio dos eleitores negros e dos jovens americanos, dois grupos que o ajudaram a derrotar seu antecessor Donald Trump (2017-2021) em 2020, e que serão novamente fundamentais este ano para impedir o retorno do republicano à Casa Branca.
De acordo com uma pesquisa recente do The New York Times e da empresa Siena, Trump poderia ganhar os votos de 20% dos afro-americanos em novembro, aproximadamente o dobro do que ganhou em 2020. Isso seria um recorde para um candidato republicano.
Para evitar esse resultado, Biden criticou na sexta-feira o "extremismo" de seu rival e seus apoiadores que "atacam a diversidade, a equidade e a inclusão em toda a América", durante um discurso no Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana em Washington.
O presidente dos EUA continua sua viagem de campanha no domingo em Detroit (nordeste), onde discursará para a principal associação de direitos civis do país, a NAACP.
Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEstados Unidos (EUA)Faixa de Gaza

Mais de Mundo

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Direito ao aborto é retirado da declaração do G7 por oposição da Itália

Suprema Corte dos EUA anula proibição de acessório que converte armas em metralhadoras

Israel bombardeia Gaza e tensões continuam na fronteira com o Líbano

Mais na Exame