Tecnologia

IBM lança Granite, IA de código aberto que supera modelos feitos pela Meta

A tecnologia é usada para várias aplicações, incluindo geração de código e testes com outros sistemas

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 9 de maio de 2024 às 13h49.

Última atualização em 9 de maio de 2024 às 13h50.

A IBM anunciou o lançamento de uma família de inteligências artificiais (IA) de código aberto. Chamado Granite, esse novo grupo de modelos de linguagem tem o objetivo de simplificar a codificação para desenvolvedores em vários setores.

Os modelos de código Granite são criados para resolver os desafios que os desenvolvedores enfrentam ao escrever, testar, depurar e enviar software confiável - e estão disponíveis em Hugging Face, GitHub, watsonx.ai e RHEL AI e são lançados sob a licença Apache 2.0.

Segundo informações do Analytics India Magazine,  a IBM lançou quatro variações do Granite, que se diferenciam no tamanho do banco de dados, indo de 3 a 34 bilhões de parâmetros. Os modelos foram testados em vários benchmarks e superaram outros modelos comparáveis, como Code Llama e Llama 3, em muitas tarefas.

Os modelos foram treinados em um enorme conjunto de dados de 500 milhões de linhas de código em mais de 50 linguagens de programação. Esses dados de treinamento permitiram que os modelos aprendessem padrões e relacionamentos no código, permitindo-lhes corrigir bugs e explicar conceitos complexos

O desempenho dos modelos foi testado em vários benchmarks, mostrando habilidade em síntese de código, correção, explicação, edição e tradução nas principais linguagens de programação como Python, JavaScript, Java, Go, C++ e Rust.

Os modelos de código Granite são projetados para serem usados em uma variedade de aplicações, incluindo geração de código e teste. Eles também podem ser usados para automatizar tarefas rotineiras, como gerar testes unitários e escrever documentação.

Eles atendem a uma ampla variedade de tarefas de codificação, incluindo modernização complexa de aplicativos e casos de uso com restrição de memória", escreveu a empresa.

“Acreditamos no poder da inovação aberta e queremos alcançar o maior número possível de desenvolvedores”, disse Ruchir Puri, cientista-chefe da IBM Research. “Estamos entusiasmados para ver o que será construído com esses modelos, sejam novas ferramentas de geração de código, software de edição de última geração ou qualquer coisa entre eles", falou.

Acompanhe tudo sobre:IBM

Mais de Tecnologia

Americanos confiam mais no TikTok para notícias do que em outras redes, diz pesquisa

Novidade no antigo Twitter: Elon Musk oculta curtidas no X

Muito além da IA: 10 novidades para esperar no seu iPhone e iPad

Brasil será primeiro país a receber recurso antirroubo do Google para android

Mais na Exame