Tecnologia

Elon Musk orienta uso de rede virtual privada para acessar o X no Brasil

Diante de possíveis restrições judiciais, o empresário sugere mecanismo para garantir a continuidade do serviço aos usuários brasileiros

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 8 de abril de 2024 às 08h14.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 10h03.

Na noite do último domingo, 7 de abril, Elon Musk, bilionário dona da plataforma X (anteriormente conhecida como Twitter), fez uma recomendação expressa aos usuários brasileiros da rede: a adoção de VPN (Virtual Private Network) como estratégia para manter o acesso ao serviço, em face de um possível bloqueio judicial no país.

A orientação veio por meio de uma publicação na própria plataforma, em que Musk endossava o conselho de outro usuário, enfatizando a importância da medida para a continuidade do acesso no Brasil. "Para garantir que você ainda possa acessar a plataforma X, baixe um aplicativo de rede privada virtual (VPN)", destacou o empresário em sua mensagem.

As VPNs funcionam como ferramentas de privacidade online, ocultando o endereço IP do usuário, o que permite uma navegação anônima na internet. Essa tecnologia, além de ser uma aliada de ativistas que buscam proteger suas identidades online, também é conhecida por seu uso em contextos onde a liberdade de acesso à internet é restrita ou monitorada.

Elon Musk vs. Alexandre de Moraes: bilionário da dica para brasileiros driblarem possível proibição do X (Getty Images)

A possível suspensão da plataforma X no Brasil ganhou relevância após a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) iniciar um inquérito conta o X. Segundo apurou o UOL, aconteceu também um diálogo com operadoras de telecomunicações sobre o cenário de bloqueio total da rede no território brasileiro.

O episódio se insere em um contexto mais amplo de tensões entre Musk e autoridades brasileiras, especialmente após declarações controversas do empresário desafiando ordens do Supremo Tribunal Federal (STF) e criticando diretamente o ministro Alexandre de Moraes. Musk acusou Moraes de trair a Constituição brasileira, intensificando o debate sobre a regulação de plataformas digitais.

Em resposta às falas de Musk, o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta, defendeu a autonomia brasileira frente às grandes empresas de tecnologia, reiterando o compromisso do país com a manutenção de sua soberania.

Acompanhe tudo sobre:elon-muskAlexandre de MoraesSupremo Tribunal Federal (STF)Redes sociais

Mais de Tecnologia

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Mais na Exame