Acompanhe:

Conteúdo digital dobra a cada dois anos no mundo

Se todo conteúdo digital do mundo fosse armazenado em iPads, eles formariam uma pilha com altura igual a dois terços da distância entre a Terra e a Lua

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Computadores: o enorme volume de dados não utilizados representa oportunidade para o avanço da análise de big data
 (Reprodução/Neuwald)

Computadores: o enorme volume de dados não utilizados representa oportunidade para o avanço da análise de big data (Reprodução/Neuwald)

M
Maurício Grego

Publicado em 9 de abril de 2014 às, 17h58.

São Paulo -- Imagine uma pilha de iPads com altura igual a dois terços da distância entre a Terra e a Lua. É o que teríamos se todo o conteúdo digital do planeta -- filmes, livros, músicas, documentos e dados computacionais -- fosse armazenado nesses tablets.

Esse dado faz parte de um estudo elaborado pela IDC para a EMC. Em 2020, prevê o estudo, essa pilha imaginária de tablets vai atingir 6,6 vezes a distância entre a Terra e a Lua (considerando-se que cada tablet armazena 128 gigabytes).

A IDC afirma que o universo digital está dobrando a cada dois anos. Em 2013, eram 4,4 trilhões de gigabytes no planeta. Esse número deve crescer para 44 trilhões de gigabytes até 2020; ou seja, vai se multiplicar por dez. 

No Brasil, o volume de dados deve ir de 212 bilhões de gigabytes em 2013 para 1.600 bilhões de gigabytes em 2020. Isso representa crescimento de 7,5 vezes. Esses números passam a impressão de que o crescimento do universo digital é mais lento no Brasil que no resto do mundo.

Mas a IDC diz que não é bem assim. Segundo a empresa, em 2013, vendas aquecidas de equipamentos de armazenamento inflaram os números no país, o que distorce um pouco o cenário.

“Quando se considera a evolução ano a ano, percebe-se que a parcela dos dados correspondente ao Brasil vai aumentar de 3% para 4% até 2020”, disse, a EXAME.com, Pietro Delai, gerente de pesquisa e consultoria corporativa da IDC Brasil.


Segundo o estudo, 60% dos dados do planeta estão nos países mais desenvolvidos. Mas a proporção deve se inverter com o tempo. Em 2020, 60% dos dados estarão em países emergentes como Brasil, China, Índia e México.

A IDC estima que, do total de dados no mundo, apenas 22% contêm informação útil. E apenas 5% foram analisados e utilizados de alguma forma. Esses percentuais sugerem que há muito espaço para o crescimento da análise de big data no planeta.

Também sugerem que há muitos bytes inúteis sendo produzidos e armazenados. Mas a IDC diz que o nível de ruído deve baixar com o tempo. Em 2020, 35% dos dados serão úteis de alguma forma.

Outra tendência apontada pelo estudo é o crescimento da chamada internet das coisas, a comunicação de máquina a máquina, sem interferência humana. Hoje, ela corresponde a apenas 2% dos dados produzidos no mundo. Mas deve atingir 10% deles em 2020.

Últimas Notícias

Ver mais
Porto tem trimestre acima do consenso; Kakinoff quer manter ritmo de crescimento
Exame IN

Porto tem trimestre acima do consenso; Kakinoff quer manter ritmo de crescimento

Há 9 horas

Na WEG, a falácia da baixa rentabilidade fora do Brasil
Exame IN

Na WEG, a falácia da baixa rentabilidade fora do Brasil

Há 13 horas

CEO da Alliança renuncia e Isabella Tanure assume comando
Exame IN

CEO da Alliança renuncia e Isabella Tanure assume comando

Há 17 horas

No resultado histórico da BRF, efeito cíclico ou mudança estrutural?
Exame IN

No resultado histórico da BRF, efeito cíclico ou mudança estrutural?

Há 18 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais