Tecnologia

BlackBerry representa riscos sociais e de segurança, diz Emirados

Em Abril, o Barein fez um alerta contra o uso do BlackBerry Messenger para distribuição de notícias locais

BlackBerry está operando além da jurisdição da legislação nacional, informou a agência de regulação de telecomunicações dos Emirados (.)

BlackBerry está operando além da jurisdição da legislação nacional, informou a agência de regulação de telecomunicações dos Emirados (.)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de julho de 2010 às 11h41.

Dubai - O BlackBerry, produzido pela canadense Research in Motion, pode ser usado para atividades que representem riscos à segurança dos Emirados Árabes Unidos, afirmou o governo do país no domingo.

O Barein fez um alerta em abril contra o uso do BlackBerry Messenger para distribuição de notícias locais, atraindo críticas sobre liberdade de imprensa feitas pela associação Repórteres Sem Fronteiras, que considerou o alerta como um ato de censura.

O aviso do governo do Barein disparou preocupações de que outros países do Golfo Pérsico também possam considerar medidas para redução no uso de certos aplicativos do BlackBerry, que tem 20 por cento de participação no mercado global de smartphones, atrás da Nokia.

O BlackBerry está operando "além da jurisdição da legislação nacional", informou a agência de regulação de telecomunicações dos Emirados no domingo.

"Em decorrência da maneira como os dados do BlackBerry são administrados e armazenados, certos aplicativos do BlackBerry permitem que as pessoas façam uso indevido do aparelho, causando sérias repercussões sociais, judiciais e à segurança nacional."

O país está estudando maneiras para resolver "esses problemas críticos com o objetivo de encontrar uma solução que proteja nossos consumidores e que opere dentro da lei dos Emirados Árabes Unidos".

Neste mês, a RIM informou que estava se preparando para lançar uma loja de aplicativos e serviços de Internet na China, como parte da estratégia da empresa para reforçar suas operações no maior mercado celular do mundo.

Leia mais notícias sobre celulares

Acompanhe tudo sobre:CelularesIndústria eletroeletrônicaJustiçaOriente Médio

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame