Tecnologia

Android é melhor que Apple? Para o consumidor chinês, sim

Queda nas vendas da empresa comandada por Tim Cook se deve a restrições impostas pelo governo chinês, mas também por interesse por novidades como inteligência artificial e telas dobráveis

Apple na China: norte-americana tem perdido espaço para marcas como Samsung e Huawei (Leandro Fonseca/Exame)

Apple na China: norte-americana tem perdido espaço para marcas como Samsung e Huawei (Leandro Fonseca/Exame)

Publicado em 24 de abril de 2024 às 11h03.

Última atualização em 24 de abril de 2024 às 11h06.

No primeiro trimestre do ano, a Samsung ocupou o primeiro lugar em termos de vendas de smartphones pelo mundo, de acordo com análise do IDC. A Apple ficou em segundo, com 17,3% das vendas globais dos aparelhos no período, enquanto a Samsung ficou com 20,8%.

As vendas da Apple caíram quase 10% desde o começo do ano, o que pode se dever à queda nas vendas da marca na China, que se aproximou dos 20%. Dessa forma, a companhia perdeu o posto de maior vendedora de smartphones no país, sendo seguida pela Huawei, que tem visto sua participação no mercado crescer continuamente.

O movimento é, ao menos em parte resultado dos mecanismos repressivos implantados pelo governo chinês em relação à tecnologia estrangeira sendo usada em agências e empresas estatais.

Outra possibilidade que pode explicar a derrocada da Apple é a de que a preferência atual seja, por exemplo, por smartphones dobráveis, oferecidos pela Samsung. A marca também tem oferecido aparelhos com inteligência artificial, o que pode ser um atrativo para o consumidor.

Mas a situação pode se inverter em breve. Ainda neste ano, a Apple lançará o iPhone 16, que deve movimentar bastante o mercado. Pode ser a oportunidade perfeita para a empresa norte-americana retomar o primeiro lugar nas vendas globais.

Acompanhe tudo sobre:iPhoneCelularesSmartphonesSamsung

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame