Revista Exame

Ultra usa cinema para funcionários refletirem sobre integridade

Com produções premiadas no festival de filmes corporativos de Cannes, o grupo Ultra apela para a emoção para fazer seus funcionários refletir

Cinema: grupo Ultra investe na emoção para conscientizar funcionários (Jag_cz/Thinkstock)

Cinema: grupo Ultra investe na emoção para conscientizar funcionários (Jag_cz/Thinkstock)

Diogo Max

Diogo Max

Publicado em 16 de novembro de 2017 às 11h11.

Dois homens de meia-idade encontram-se à noite em um estacionamento, em meio a uma atmosfera sombria. Ali, eles começam a gestar um ardil. A trama desembocará num processo fraudulento de concorrência para a construção de uma fábrica na empresa em que um dos conspiradores trabalha. Desde o início das cenas, há um clima tenso no ar que, pouco a pouco, ganha corpo e complexidade, como a lenta evolução de um pesadelo dos tempos atuais. No fim da história, os personagens tornam-se prisioneiros da falcatrua que engendraram.

Toque para ampliar

Parece enredo de cinema? E é. Trata-se da sinopse de um dos três filmes corporativos criados para o grupo Ultra com o objetivo de estimular a discussão sobre ética e compliance entre seus 15 000 funcionários. E os filminhos nada têm de toscos. Ao contrário — são profissionais. Têm elenco, diretor, roteirista, cenografia, figurino, maquiagem e tudo mais que esse tipo de produção dá direito. “A mágica dos filmes artísticos é que eles nos aproximam da realidade de uma maneira que outras formas de comunicação não conseguem”, afirma Dênis Cuenca, diretor de riscos, compliance e auditoria do Ultra. “Essa abordagem emociona e leva à reflexão.” Ou seja, sem ser enfadonha, a companhia encontrou uma maneira de tratar de um assunto pesado — e crucial nos tempos correntes.

O primeiro filme, Escolhas, de 2015, é uma espécie de Você Decide empresarial. A audiência pode escolher o desfecho do roteiro. O executivo protagonista poderia aceitar ou não uma propina, admitir ou não o erro antes de o caso ser levado à Justiça, e assim por diante. No ano passado, uma nova história, batizada de 8 de Outubro, dia de combate aos cartéis, simulava um documentário. As duas peças, feitas pela produtora Conspiração, ganharam quatro prêmios no festival de filmes corporativos de Cannes, na França. Em julho deste ano, foi a vez da estreia do filme O Conflito, que trata do choque de interesses em ambientes de trabalho. A empresa usa canais de comunicação interna, como a intranet, para veicular as séries.

O Ultra controla a Ipiranga (postos de combustíveis), a Oxiteno (química), a Ultragaz (distribuidora de gás), a Ultracargo (logística) e a Extrafarma (varejo farmacêutico). Em todos os braços do grupo, o tema sustentabilidade está presente. A rede Ipiranga, por exemplo, desenvolve postos ecoeficientes, com gestão controlada de água, energia e resíduos. Na área química, o foco é a reutilização e o tratamento de milhões de metros cúbicos de água por ano.

Toque para ampliar
Acompanhe tudo sobre:CinemaEXAME 50 AnosSustentabilidadeUltrapar

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

Conheça o castelo na França exclusivo para convidados da Moët & Chandon

Mais na Exame