Pop

‘Porta do inferno’ expande na Sibéria e preocupa cientistas

Um quarto da superfície terrestre do Hemisfério Norte é composto por essa terra congelada chamada permafrost

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 21 de maio de 2024 às 11h48.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 11h58.

Novas pesquisas detalharam uma taxa alarmante na qual a enorme cratera Batagaika, na Sibéria, está devorando a superfície terrestre, expandindo-se a uma taxa de 1 milhão de metros cúbicos devido ao derretimento do permafrost — terreno congelado durante pelo menos dois anos e que está formado por terra, rochas e sedimentos Atualmente, ela mede cerca de 1 km de comprimento e 800 metros de largura. E está acelerando. As informações são da Deutsche Welle.

Localizada na Cordilheira de Chersky, no nordeste da Sibéria, a cratera Batagaika não é tecnicamente uma cratera, mas sim uma depressão — uma espécie de 'megadeslizamento' causada pelo colapso e fraturamento do solo devido à perda do permafrost. Ela foi descoberta em 1991 após a abertura subterrânea se expandir e levar consigo uma grande parte de encosta.

Um quarto da superfície terrestre do Hemisfério Norte é composto por essa terra congelada, que pode variar de poucos metros de profundidade a quase 1 quilômetro.

Por que na Sibéria e por que tanto medo?

Sua rápida expansão é agora impulsionada pelo aumento das temperaturas do ar, o que desencadeou um ciclo que provavelmente não vai desacelerar enquanto houver gelo para derreter.

Quando a camada de permafrost derrete, ela passa de uma consistência de concreto para uma massa lamacenta, incapaz de suportar a vegetação na superfície. À medida que as bordas colapsam, o solo perde as copas das árvores que o protegiam do sol (e do calor). Nesse ponto, a matéria orgânica recém-exposta, que não está mais preservada no gelo, se decompõe e libera carbono na atmosfera, alimentando ainda mais o aquecimento atmosférico. Isso, naturalmente, resulta em mais perda de permafrost.

Quanto aos microrganismos antigos, não se sabe se eles conseguem sobreviver por muito tempo quando expostos à atmosfera da Terra — como também não há estudos apontando se a medicina moderna estão preparada para lidar com vírus "retornando" após 50 mil anos de dormência. Em 2016, acredita-se que o degelo do permafrost liberou o Bacillus anthracis, causador do antraz, que matou 2.649 renas, resultando em dezenas de moradores doentes e a morte de uma criança na Sibéria.

A dramática formação da cratera Batagaika — que ganhou os apelidos de 'portal para o submundo' e 'portal para o inferno' — tem bordas íngremes que revelam permafrost estimado em 650 mil anos. Atualmente, ela tem cerca de 50 metros de profundidade, com áreas que chegam a 100 metros.

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento global

Mais de Pop

Um dos livros mais antigos do mundo é leiloado por R$ 20,9 milhões, em Londres

Quando estreia 'Divertida Mente 2'? Saiba o que esperar do filme

The Boys: 5ª temporada será a última da série, diz criador

Japonês fica 'viúvo' de esposa-holograma após desenvolvedora desativar o serviço

Mais na Exame