Fome de MC bateu? Estudo revela como parar de comer fast food

Pesquisadores da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos, descobriram uma forma de resistir à "tentação" em forma de lanche
Fast Food: A pesquisa testou a hipótese de que os exercícios poderiam interferir no período de “incubação do desejo” (Drazen Stader / EyeEm/Getty Images)
Fast Food: A pesquisa testou a hipótese de que os exercícios poderiam interferir no período de “incubação do desejo” (Drazen Stader / EyeEm/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 30/04/2022 13:32 | Última atualização em 30/04/2022 13:32Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Resistir aos lanches de fast food, normalmente com alto valor calórico, é um desafio para qualquer amante de um delicioso sanduíche. Pessoas que entram em dietas ou querem ter uma alimentação mais saudável acabam se frustrando por não conseguir se comprometer com o objetivo e exagerar no fast food.

Pesquisadores da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos, descobriram uma forma de resistir à "tentação" em forma de lanche. Em estudo publicado na revista científica Obesity, os pesquisadores afirmaram que a resposta está na prática de atividades físicas.

De acordo com eles, realizar exercícios físicos não só ajuda a eliminar as calorias já consumidas, como também auxilia a diminuir a vontade de comer alimentos gordurosos.

Para chegar nessa conclusão, o estudo utilizou 28 camundongos que passaram por um treinamento. Os animais receberam uma pastilha rica em gordura e depois foram divididos em dois grupos para passar por um período de 30 dias sem acessos a alimentos gordurosos.

LEIA TAMBÉM: Comer como um bilionário? Veja as comidas favoritas de Gates, Bezos e Musk

Um grupo de camundongos foi submetido a uma rotina intensa de atividades físicas, como corrida em esteira, e a outra parte dos animais teve redução nas atividades que já exercia. No final do período, os dois grupos tiveram acesso novamente a pastilha de gordura, porém aqueles que se exercitaram buscaram menos a recompensa de quem teve redução de atividades.

A pesquisa testou a hipótese de que os exercícios poderiam interferir no período de “incubação do desejo”, que é o momento que ignoramos a vontade de comer determinado alimento quando há maior vontade de consumi-lo.

Os pesquisadores acreditam que os resultados também são validos para os humanos, até pela lógica do estudo ter se baseado em pesquisas anteriores sobre a relação do exercício físico com a menor busca por drogas.

Travis Brown, um dos autores do estudo e pesquisador de fisiologia e neurociência da Universidade de Washington, afirma que uma parte importante para manter uma dieta é conseguir dizer não para os desejos de alimentos mais gordurosos e que o exercício pode ajudar nesse processo. "O exercício pode não apenas ser benéfico fisicamente para a perda de peso, mas também mentalmente para obter controle sobre esses desejos por alimentos não saudáveis”, explicou.

Brown também afirmou que os alimentos de fast fotos podem causar um efeito viciante, parecido com o causado pelas drogas no cérebro. A equipe do estudo espera analisar em próximos testes os diferentes níveis de atividade física para conseguirem reduzir o desejo por alimentos calóricos.

LEIA TAMBÉM: Comer um cachorro-quente pode te tirar 36 minutos de vida, aponta estudo

Veja Também

Como as foodtechs podem acabar com a fome mundial
Um conteúdo Bússola
Há 6 dias • 9 min de leitura

Como as foodtechs podem acabar com a fome mundial

Cesta de produtos de festa junina está 29,65% mais cara neste ano
Minhas Finanças
Há 6 dias • 2 min de leitura

Cesta de produtos de festa junina está 29,65% mais cara neste ano

Com preços em alta, falta chocolate nos supermercados
Economia
Há 6 dias • 3 min de leitura

Com preços em alta, falta chocolate nos supermercados