Pop

Cientistas descobrem mistério sobre origem da "árvore da vida"

As icônicas baobás podem viver milhares de anos e armazenar uma grande quantidade de água

Essas árvores estão ligadas a tradições e culturas locais na África

Essas árvores estão ligadas a tradições e culturas locais na África

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 17 de maio de 2024 às 09h54.

Os cientistas resolveram o mistério da origem das antigas árvores baobá, também conhecidas como "árvores da vida" .

De acordo com estudos de DNA publicados pela BBC, as árvores icônicas surgiram pela primeira vez em Madagascar há 21 milhões de anos. Suas sementes foram posteriormente levadas pelas correntes oceânicas para a Austrália e também para a África continental, evoluindo para espécies distintas.

Pesquisadores pediram mais esforços na conservação dessas árvores pois, segundo eles, estão mais perto da extinção do que se pensava. Eles estão em perigo devido às mudanças climáticas e ao desmatamento generalizado. Os cientistas estudaram oito espécies de baobás, seis das quais encontradas em Madagascar.

Também conhecida como "árvore de cabeça para baixo", as baobás podem viver milhares de anos, crescendo até atingir um tamanho enorme e armazenando grandes quantidades de água em seus troncos para sobreviver durante as estações secas.

Seus frutos são considerados um superalimento e seu tronco pode ser usado para fazer fibras que são usadas para cordas ou roupas.

Elas também produzem grandes flores brancas que se abrem ao anoitecer, atraindo morcegos como polinizadores, que percorrem grandes distâncias para se alimentar de seu néctar, e são importantes locais para pássaros construirem seus ninhos.

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaMeio ambiente

Mais de Pop

Bridgerton: qual a ordem cronológica e onde assistir a série

Como descobrir sua casa de Harry Potter? Veja passo a passo de teste oficial

Astrônomos detectam 'despertar' de buraco negro no centro de sua galáxia

Na onda de 'House of Dragon', como está o elenco de 'Game of Thrones' atualmente?

Mais na Exame