Startup Housi entra com pedido de IPO para expandir para fora de SP

A empresa de aluguel de imóveis, que nasceu como braço da incorporadora Vitacon, protocolou o pedido na CVM na última terça-feira, 1º

A startup brasileira Housi, que nasceu em 2019 como um braço da incorporadora Vitacon, protocolou na terça-feira, 1º, um pedido de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa, presidida pelo empresário Alexandre Frankel, quer captar fazer uma oferta primária e secundária de ações, captando recursos com a venda de novas ações e de papéis já existentes. O Credit Suisse coordena a oferta junto com Bank of America Merrill Lynch, UBS, Citigroup e Banco Safra.

O objetivo da companhia com a abertura de capital é levantar dinheiro para expandir o negócio. A startup, que iniciou suas operações em São Paulo, recentemente anunciou que estaria expandindo sua operação para o Rio de Janeiro. No futuro, a empresa quer entrar também em capitais como Recife, Fortaleza, Curitiba, Porto Alegre e Goiânia.

A startup planeja também comprar mais terrenos para a construção de empreendimentos próprios. Hoje, ela possui 92 unidades próprias operando e mais de 4.300 em desenvolvimento.

Trajetória da empresa

A empresa atua fazendo a gestão de imóveis para locação. Em abril, ela lançou uma nova plataforma de gestão de locação de imóveis no Brasil, a Housi IRent. No modelo, ela garante ao proprietário do imóvel um valor fixo mensal, ainda que ele não esteja alugado. “O serviço foi criado para suprir a necessidade de proprietários que, em geral, ficam com seu empreendimento vago por um período de três a quatro meses, média da taxa de vacância no Brasil”, diz Frankel.

A empresa acredita no conceito de moradia como serviço. Quando assume a gestão de uma propriedade, a Housi garante desde a decoração adequada até a limpeza constante do espaço: o novo morador não precisa se preocupar com nada. É possível alugar o imóvel por períodos curtos, com menos de 30 dias, ou por longas estadias, de meses.

Durante a pandemia, a Housi precisou se reinventar: 20% dos contratos foram cancelados. Por isso, a startup passou a focar em estadias de longo prazo. Os imóveis receberam melhorias, como novas redes de Wi-Fi, para atrair famílias em busca de estadias mais longas. A estratégia parece ter funcionado. Em julho, o faturamento cresceu 60% em relação ao de maio.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.