• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Fintech QueroQuitar, de renegociação de dívidas, recebe aporte de R$ 15 mi

Rodada Série A é liderada por fundo europeu doValue, especializado em negócios focados em recuperação de empréstimo em atraso. Entre os clientes da fintech estão grandes varejistas como Havan e Zema
Marc Lahoud, fundador da QueroQuitar: em 2020, a fintech intermediou cerca de 570.000 negociações, acumulando um valor transacionado de 620 milhões de reais (Divulgação/Divulgação)
Marc Lahoud, fundador da QueroQuitar: em 2020, a fintech intermediou cerca de 570.000 negociações, acumulando um valor transacionado de 620 milhões de reais (Divulgação/Divulgação)
Por Leo BrancoPublicado em 22/12/2021 09:00 | Última atualização em 22/12/2021 11:05Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Fintech paulistana especializada em renegociação de dívidas, a QueroQuitar recebeu investimento Série A de 15 milhões de reais. A rodada foi liderada pelo fundo europeu doValue, especializado em negócios focados em recuperação de empréstimo em atraso — as chamadas non performance loans, no termo em inglês.

Aprenda a empreender do zero com a Shark Tank Carol Paiffer 

O aporte tem ainda recursos dos fundos BR Startups (de Microsoft Brasil, Bayer e outras empresas), 500 Startups, Wayra e Bossanova, investidores desde os primórdios da startup fundada em 2015.

O negócio da QueroQuitar é desenvolver um espaço virtual para empresas ofertarem condições especiais para o pagamento de débitos por parte de clientes devedores. Os descontos começam em 5% e podem chegar a 95% da dívida, a depender da longevidade do débito.

O anúncio da dívida na plataforma é gratuito às empresas. O devedor também paga nada consultar ali o tamanho de suas dívidas. A receita da QueroQuitar vem percentuais cobrados sobre os débitos quitados pela plataforma.

Entre as 32 empresas com ofertas de dívidas na QueroQuitar estão grandes varejistas como Havan e Grupo Zema, além de instituições financeiras e empresas de educação.

As incertezas causadas pela pandemia alavancaram o negócio da QueroQuitar. De 2020 para cá, o faturamento triplicou. Em 2020, a fintech intermediou cerca de 570.000 negociações, acumulando um valor transacionado de 620 milhões de reais.

A fintech foi fundada em 2015 pelos sócios Marc Lahoud, Artur Zular e Alencastro Silva que atuaram por anos em diversos tipos de mercado, como varejo, saúde e financeiro. A QueroQuitar nasceu com o propósito de ajudar mais de 64 milhões de pessoas e 6 milhões de empresas negativadas a saírem das dívidas, facilitando o acesso do devedor às melhores ofertas para quitar seus débitos em um processo de negociações simples e digital, diz Lahoud.

"A proposta de valor da QueroQuitar é muito maior do que apenas recuperar créditos para as companhias, queremos resgatar o devedor ao status de um consumidor mais sustentável. Atualmente contamos com mais de 57 milhões de devedores pessoa física e pessoa jurídica com débitos a negociar em nossa base", diz Lahoud.

Com o valor recebido, a expectativa é de aumento dos times, aperfeiçoamento do modelo de recuperação digital, aumento no poder de negociações e investimentos em marketing e comunicação corporativa.

Quais são as tendências entre as startups do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.