74% das empresas têm dificuldade para conquistar clientes corporativos

Crise causada pela pandemia de coronavírus afetou o faturamento de 85% das companhias que atuam no mercado corporativo

O novo coronavírus impactou negativamente a economia global. O comércio e os serviços foram duramente afetados por depender de um fluxo constante de pessoas, mas não foram os únicos setores a sofrer com a crise. Pesquisa aponta que 85% das empresas especializadas em vender para o mercado corporativo tiveram queda de faturamento após o início da pandemia. 74% delas também estão com dificuldades para conquistar novos clientes, segundo o estudo conduzido pela startup Ramper, que oferece um software de prospecção digital para pequenas e médias empresas.

A empresa ouviu 500 empresas do segmento para produzir a pesquisa. Entre as companhias participantes, 30,1% são do setor de tecnologia, 27,4% de serviços, 12,4% de marketing, 4,8% de educação e 3,8% de indústrias. Outros segmentos representam 21,4%.

Segundo Ricardo Corrêa, presidente da Ramper, os dados mais alarmantes encontrados foram os de impacto no faturamento e na prospecção de novos clientes. O estudo revela que 83% das empresas registraram diminuição na geração de clientes em potencial pelos canais habituais. “Os negócios B2B precisam atrair e captar possíveis interessados de forma ativa. Com as pessoas fora do escritório e a maioria das organizações cortando o orçamento de mídia paga, ficou mais difícil”, diz Corrêa.

Cerca de 70% das empresas entrevistadas também notaram que a sua equipe de vendas está menos produtiva durante a crise. Analisando as demissões feitas depois da covid-19, Corrêa percebeu que quase metade dos profissionais desligados são dos times de prospecção e vendas. Para ele, essas decisões podem custar caro para as empresas no futuro.

“Com a queda na demanda, demitir na área de vendas parece lógico, mas pode comprometer a empresa na posterioridade”, afirma o presidente. Em um momento de retomada econômica, a empresa precisará contratar esses profissionais novamente e perder tempo e dinheiro para treiná-los.

Apesar do momento ruim, muitas companhias estão tentando se adaptar, buscando novos nichos e negócios mesmo com a pandemia. “Muitas estão conseguindo assimilar o golpe e se readequar para esse momento”, diz Côrrea. Para ele, as companhias que mais preparadas para passar pela crise são as que conseguiram mudar sua estrutura de trabalho e entender que precisam se aproximar das empresas que estão passando por dificuldades que seus produtos e serviços conseguem solucionar.

 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE