Negócios

Vale vai encerrar seu programa de desinvestimentos em breve

Nesta quinta-feira, a empresa anunciou que venderá uma participação na subsidiária MBR e que concluiu a venda de quatro navios a chineses


	Vale: planos de focar em níquel, cobre, minério de ferro, fertilizantes e carvão continuam
 (Divulgação)

Vale: planos de focar em níquel, cobre, minério de ferro, fertilizantes e carvão continuam (Divulgação)

Luísa Melo

Luísa Melo

Publicado em 30 de julho de 2015 às 18h36.

São Paulo - A Vale deve concluir em breve seu plano de desinvestimentos. "O programa está muito próximo de terminar", disse o presidente da empresa, Murilo Ferreira, durante conferência com jornalistas para divulgação dos resultados do trimestre, nesta quinta-feira (29).

Pela manhã, a mineradora havia anunciado que venderá uma parcela de 36,4% na MBR a um fundo de investimentos gerido pelo Bradesco por 4 bilhões de reais. Ela é dona de 98,3% do capital da subsidiária, que atua no transporte e embarque portuário de minério de ferro.

A companhia também comunicou que concluiu a venda de quatro navios para a China Merchants Energy Shipping Co. A transação é resultado de acordos assinados em setembro de 2014 e março deste ano e totalizou 448 milhões de dólares.

De acordo com Ferreira, grande parte do déficit de caixa livre da Vale já foi coberto com desinvestimentos, mas a empresa pode reduzir ainda mais suas participações na produtora de bauxita MRN e na operadora de logística MRS.

"Podemos também desinvestir em mais alguns navios", afirmou o executivo. "O programa segue seu curso, mas não temos ansiedade em realizar nenhuma venda, por isso ele não foi desenhado a curto prazo", completou.

Desde o início do plano, em 2011, a mineradora também já se desfez de parte de suas ações na transportadora VLI e em projetos de extração e transporte de carvão em Moçambique.

Graças a uma estratégia de redução de custos e ao aumento da produção, a Vale conseguiu contornar a forte queda do preço do minério de ferro e registrou um lucro líquido de 5,1 bilhões de reais entre abril e junho deste ano.

O bom resultado vem em seguida a três trimestres consecutivos de perdas para a companhia.

"O objetivo da empresa de focar no negócio principal, que é níquel, cobre, minério de ferro, fertilizantes e carvão, continua", garantiu Ferreira. 

Acompanhe tudo sobre:Cortes de custo empresariaisEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasExecutivosExecutivos brasileirosgestao-de-negociosIndústriaMineraçãoMurilo FerreiraResultadoSiderúrgicasVale

Mais de Negócios

“Vamos investir 800 milhões de dólares para transição de veículos elétricos”, diz CEO global do Uber

Universidade aposta em software com IA para aumentar a segurança no campus

Sebrae promove evento gratuito sobre sustentabilidade para pequenos negócios. Inscreva-se

Os CEOS mais bem pagos em 2023 nos EUA

Mais na Exame