Uber vai demitir outros 3.000 funcionários e fechar 45 escritórios

Demissões anunciadas na crise já somam 25% do quadro de funcionários. A empresa não informou os locais onde os escritórios serão fechados

A empresa de transporte por aplicativo Uber anunciou nesta segunda-feira, 18, que vai demitir mais 3.000 funcionários. A nova leva de demissões vem semanas depois de a empresa já ter demitido 3.700 pessoas no começo de maio.

Ambas as demissões equivalem a 25% de toda a força de trabalho que a Uber tinha no fim do ano passado. A empresa fechou dezembro com 26.900 funcionários no mundo, 40% deles nos Estados Unidos.

A empresa vai também fechar 45 escritórios em todo o mundo. Os escritórios a serem fechados ainda não foram divulgados.

"Estamos vendo alguns sinais de recuperação, mas saindo de um buraco profundo, com visibilidade limitada de sua velocidade e forma", disse o presidente da Uber, Dara Khosrowshahi, em carta enviada aos funcionários e obtida pelo jornal The Wall Street Journal. O presidente afirma no comunicado que o braço de entrega de refeições da Uber, o Uber Eats, tem tido crescimento durante a crise, mas que "o negócio hoje não chega perto de cobrir nossas despesas".

A confirmação das demissões veio depois de uma matéria do site Business Insider no fim de semana antecipando os cortes. As ações da Uber operavam em alta de mais de 4% na bolsa por volta das 14h30 desta segunda-feira, com a visão dos investidores de que os cortes tornam a companhia mais enxuta. Fundada em 2009 e na bolsa desde o ano passado, a Uber é historicamente criticada por não ter tido lucro desde então.

Em comunicado à imprensa, Khosrowshahi afirmou ainda que está "mudando o tamanho" da companhia "para se alinhar às realidades de nossos negócios".

O objetivo da empresa é economizar 1 bilhão de reais por ano na comparação com o previsto para o quarto trimestre deste ano antes da crise, segundo escreveu a Uber em comunicado a investidores protocolado junto à SEC (Securities and Exchange Commission), que regula o mercado de capitais nos Estados Unidos.

A Uber foi duramente impactada diante do isolamento social que tomou parte do mundo em meio à pandemia do novo coronavírus. No Brasil, levantamento do aplicativo de finanças Guiabolso mostra que os gastos dos usuários na plataforma caíram quase pela metade entre a semana de 2 a 8 de março e 30 de março a 5 de abril. O gasto médio foi de 63,40 reais para 35,19 reais por usuário no período.

A EXAME entrou em contato com a assessoria de imprensa da Uber, no Brasil, para verificar os impactos dos cortes na operação local, mas até o momento não obteve retorno.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.