Spotlar: proptech de SC promete casa "pronta para morar" e zero dor de cabeça pós-mudança

Fundada por time de engenheiros civis, a Spotlar permite que compradores possam decorar e mobiliar apartamentos antes mesmo da entrega dos imóveis

Spotlar: proptech de SC capta R$ 6 milhões (Spotlar/Divulgação)

Spotlar: proptech de SC capta R$ 6 milhões (Spotlar/Divulgação)

A startup Spotlar quer acabar com uma das principais dores de todo comprador de imóvel: o processo moroso de mobiliar, decorar e deixar a casa, enfim, com "a cara" do novo dono. Fundada por um time de engenheiros civis, a proptech (termo que define as pequenas empreas de tecnologia dedicadas ao mercado imobiliário) catarinense acaba de captar R$ 6 milhões para levar essa proposta adiante.

A rodada foi liderada pelo fundo Terracotta Ventures, que se dedica ao mercado imobiliário e de construção civil e já tem um portfólio de investidas que inclui startups como Yucca, Approva Fácil e EmCasa. O fundo TM3 Capital também participou do investimento.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

O que faz a Spotlar

A Spotlar foi criada em março de 2021, em Florianópolis (SC), por Renan Lecheta, Ivan Albert, Marcos Felipe Nuernberg e Luiz Paulo Magalhães, engenheiros civis que se uniram pela segunda vez em uma empreitada empreendedora. Juntos, eles já haviam criado em 2015 a Conaz, um software para cotação e compra de insumos para obras e construções. O negócio foi vendido à Ambar, também do setor de construção civil, em 2019.

Após dois anos como diretores executivos na compradora, eles decidiram deixar a Ambar para criar um novo negócio. A ideia era que, desta vez, o empreendimento não ajudasse na reposição de insumos para obras, mas que pudesse ainda assim agilizar o processo constrututivo — especialmente após a entrega das chaves.

A proposta da Spotlar é a de levar ao pé da letra o termo "pronto para morar". Para isso, desenvolveu uma plataforma digital 3D pela qual compradores de apartamentos na planta visualizam seus imóveis finalizados e, assim, escolhem todas as opções de mobília, decoração e eletrodomésticos para cada ambiente, antes mesmo do prédio ficar pronto.

Depois que o empreendimento é entregue pela incorporadora, a Spotlar se encarrega de mobiliar tudo, com a ajuda da sua rede de parceiros que conta com lojas de decoração, móveis planejados e também grandes marcas de eletrodomésticos e eletrônicos.

O alvo da startup são as constrututoras e incorporadoras, que contratam a tecnologia da Spotlar para seus clientes com o objetivo de agregar uma nova etapa ao processo construtivo e também valor, visto que um imóvel totalmente decorado pode, segundo os fundadores, "elevar a barra" e o padrão das entregas.

LEIA TAMBÉM: Conheça a Nomo, startup que quer acabar com monopólio das operadoras e ser terceira via da telecom

Que dor a empresa resolve

A Spotlar nasce da percepção dos sócios de que os imóveis entregues pelas incorporadoras estão longe de beirar a excelência. "Víamos que o que era entregue ali era um espaço em branco”, diz Renan Lancheta, CEO da Spotlar. "Ao abrir a porta do seu imóvel, mesmo com a chave em mãos, o comprador se depara com um grande problema, longe daquela realização de sonho da casa própria".

A proptec quer facilitar a jornada do consumidor do mercado imobiliário. O espelho é o mercado automobilístico, no qual o cliente já escolhe todos os adicionais de um veículo antes mesmo de retirá-lo em loja — e, hoje em dia, até mesmo online.

"A jornada de mobiliar e decorar um apartamento é muito fragmentada. O que temos são muitas pessoas com dores em comum, mas que precisam recorrer a diversos fornecedores para ter seus apartamentos completos. Por isso, vimos que era algo que podia ser escalado com facilidade", diz Lancheta.

A aposta dos investidores se deve ao rápido crescimento e capacidade de entrega apresentados pelo time. A empresa criou uma plataforma focada na aplicação de tecnologia e customização em massa para tornar novos imóveis vazios em residências verdadeiramente prontas para morar.

De acordo com o CEO, a Spotlar hoje é capaz de entregar cerca de 60 unidades em um mesmo empreendimento em um período de 60. "Para fins de comparação, o tempo médio de entrega de imóveis no mercado é de oito meses", afirma Ivan Alberti, CFO da empresa.

O futuro da Spotlar

Em 2022, a Spotlar entregou 130 imóveis, e quer chegar a 500 até o final de 2023. Para isso, a aposta está no uso do capital recebido para a chegada a outras capitais do país, com destaque para São Paulo e Curitiba. “Nossa próxima fase é de tração. E o capital servirá para vivermos essa fase de forma mais consistente”, diz o CEO.

O momento deve cooperar. Com a retração do mercado de construção causa pela pandemia, a demanda represada de entregas de imóveis será atendida nos próximos anos — o que deve acelerar a busca pela solução da Spotlar, focada no "pós-mudança". “É um mercado de centenas dos milhares de unidades a serem entregues, o que traz um timing ótimo para escalar na Spotlar”, diz Bruno Loreto, da Terracotta Ventures.

"O bom exemplo que vemos em mercados de fora, como os Estados Unidos, é de a customaização é uma grande tendência. A Spotlar vai além, pois criou um modelo de customização em escala. Estamos empolgados em ver o resultado disso", diz Loreto.

VEJA TAMBÉM

Escola de tecnologia de tricampeão brasileiro de robótica capta mais de R$ 23 milhões

Fundado por Carlinhos Maia, banco digital Girabank quer novos sócios — dá para virar um com R$ 10

Mais de Negócios

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

O coworking que eles criaram na garagem de casa supera a pandemia, faz R$ 10 milhões e vai expandir

Grupo J&F anuncia investimento de R$ 25 bilhões e criação de 10 mil empregos no Brasil

Desenrola para empresas: veja perguntas e respostas sobre os novos programas para MEIs

Mais na Exame