Softbank tem lucro de US$ 12 bi, mas esconde resultado operacional

O ganho seria um alívio após as perdas recordes registradas no trimestre anterior, de 8,9 bilhões de dólares, após a queda de valor no Uber e WeWork

O Softbank, conglomerado japonês liderado por Masayoshi Son, divulgou hoje seus resultados trimestrais. O lucro líquido cresceu 12%, para 1,3 trilhão de ienes ou 12,3 bilhões de dólares, no trimestre de abril a junho. Parte dos ganhos do Softbank vêm da fusão da norte-americana Sprint com a T-Mobile nos Estados Unidos e a consequente venda das ações do Softbank na T-Mobile.

O ganho seria um alívio após as perdas recordes registradas no trimestre anterior, de 8,9 bilhões de dólares após a queda de valor de uma de suas grandes apostas, a empresa de compartilhamento de escritórios WeWork.

A gigante de tecnologia, no entanto, não divulgou o lucro operacional, dizendo que não "era uma medida útil" para avaliar a performance dos investimentos do conglomerado. Como consequência, as ações estão em queda de 2,12%, ao meio dia (horário no Brasil).

O fundo de investimentos Vision Fund, de 100 bilhões de dólares aplicados em empresas como Oyo, Gympass, Creditas e Loggi, teve um ganho de 297 bilhões de ienes, ou 2,8 bilhões de dólares no trimestre, depois que a empresa vendeu alguns ativos e reavaliou o valor de seu portfólio para cima.

O Softbank enfrentou críticas por conta de alguns de seus maiores investimentos, como a plataforma de mobilidade Uber e a empresa de compartilhamento de escritórios WeWork, avaliadas por analistas como tendo valores acima do real e modelos de negócio sem lucro.

A empresa planeja vender cerca de 41 bilhões de dólares em ações para diminuir dívidas e levantar caixa - para o presidente Masayoshi Son, as ações do conglomerado estavam muito abaixo de seu valor ideal. A estratégia de acumular caixa deve se manter nos próximos meses como uma força de proteção contra a pandemia do novo coronavírus. Para Son, "defesa é essencial numa batalha. Para o Softbank, que tem diversas dívidas, a defesa é caixa", disse ele na apresentação dos resultados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.