Negócios

Samsung compensará fornecedores por retirar Note7 do mercado

A verba aos fornecedores pode alcançar até 300 bilhões de wons (cerca de US$ 266 milhões), segundo uma estimativa de especialistas do setor


	Galaxy Note 7: o fiasco do Note 7 poderia custar à Samsung perdas operativas de 6,1 trilhões de wons (US$ 5,38 bi)
 (George Frey/Getty Images)

Galaxy Note 7: o fiasco do Note 7 poderia custar à Samsung perdas operativas de 6,1 trilhões de wons (US$ 5,38 bi) (George Frey/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de outubro de 2016 às 08h53.

Seul - A Samsung Electronics se comprometeu nesta terça-feira a pagar compensações a seus fornecedores de vários países pela retirada do mercado do "smartphone" Galaxy Note 7 após reiterados casos de incêndios.

A firma sul-coreana expressou em um breve comunicado que dará "uma rápida compensação" após fazer uma avaliação dos estoques de suas empresas afiliadas em vários países de todo o mundo.

A Samsung não especificou a quantidade da remuneração aos cerca de 70 fornecedores pelas peças e componentes fabricados ou em processo para o Galaxy Note 7 e que finalmente não serão utilizados.

A verba aos fornecedores pode alcançar até 300 bilhões de wons (cerca de US$ 266 milhões), segundo uma estimativa de especialistas do setor publicada pela agência sul-coreana Yonhap.

A Samsung Electronics decidiu no começo deste mês retirar do mercado o Galaxy Note 7, já que alguns dispositivos continuavam pegando fogo apesar da revisão em grande escala iniciada em setembro e que supostamente deveria ter posto um fim ao problema.

O fiasco do Note 7 poderia custar à Samsung perdas operativas de 6,1 trilhões de wons (US$ 5,38 bilhões) entre julho deste ano e março do próximo ano, segundo uma estimativa da empresa. 

Acompanhe tudo sobre:CelularesEmpresasEmpresas coreanasempresas-de-tecnologiaIndústria eletroeletrônicaPrejuízoSamsungSmartphones

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame