Negócios

Samsung abrirá 1.400 mini-lojas dentro da Best Buy até junho

Iniciativa é uma forma mais rápida da empresa se aproximar dos consumidores pelo varejo

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 4 de abril de 2013 às 12h15.

São Paulo – A Samsung anunciou que abrirá 1.400 mini-lojas da marca dentro da americana Best Buy até o final de junho deste ano, iniciativa que promete acirrar ainda mais a competição com a Apple. A fabricante terá seções inteiras dedicadas à venda, demonstração e suporte dos tablets, câmeras, laptops, televisores e acessórios da marca dentro da varejista de produtos eletrônicos.

Em julho do ano passado, a Samsung inaugurou sua primeira loja física em Vancouver, no Canadá. Agora, com a abertura das mini-lojas, a empresa encontraria uma forma mais rápida de se aproximar dos consumidores pelo varejo. Um caminho já trilhado pela Apple há tempos – a americana tem cerca de 400 lojas de varejo em todo o mundo, além de mini-lojas na Best Buy e parcerias com outros grandes varejistas como Walmart e Target.

No entanto, a empresa afirma que isso não foi pensado apenas para acirra a competição com a Apple, mas para oferecer aos consumidores o que eles querem.

"Trata-se de responder às necessidades deles e garantir que eles estejam satisfeitos, aptos e felizes por escolherem produtos da nossa marca", Ketrina Dunagan, vice-presidente de marketing de varejo, disse em uma entrevista ao The New York Times.

O motivo para tal disputa é simples. A Samsung é a maior fabricante de celulares do mundo. Mas o iPhone da Apple ainda é o dispositivo móvel mais vendido nos Estados Unidos. E a coreana quer, aos poucos, tomar esse lugar.

Acompanhe tudo sobre:AppleEmpresasEmpresas americanasEmpresas coreanasempresas-de-tecnologiaIndústriaIndústria digitalIndústria eletroeletrônicaIndústrias em geralInvestimentos de empresasSamsungsetor-eletroeletronicoTecnologia da informação

Mais de Negócios

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Mais na Exame