• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Redes de fast food mantêm planos de expansão apesar da crise

A desaceleração da economia brasileira não tem afetado os planos das redes de comida rápida que querem se expandir no Brasil.
Loja da Wendy’s em Chicago: A rede americana abriu duas lojas em São Paulo, uma no Itaim e outra na Vila Olímpia em julho e tem registrado movimento acima do esperado. (Scott Olson/Getty Images)
Loja da Wendy’s em Chicago: A rede americana abriu duas lojas em São Paulo, uma no Itaim e outra na Vila Olímpia em julho e tem registrado movimento acima do esperado. (Scott Olson/Getty Images)
Por Ana Paula RagazziPublicado em 26/08/2016 17:48 | Última atualização em 10/05/2017 12:49Tempo de Leitura: 5 min de leitura

São Paulo - A desaceleração da economia brasileira não tem afetado os planos das redes de comida rápida que querem se expandir no Brasil. A crise econômica tem gerado oportunidades na área imobiliária, o que definiu a entrada no país neste ano de grandes redes internacionais, como Taco Bell e Wendy’s. Já os grupos mais antigo no país, como Bob’s e Burger King mantêm planos acelerados de expansão.

A rede americana Wendy’s abriu duas lojas em São Paulo, uma no Itaim, outra na Vila Olímpia, em julho e tem registrado movimento acima do esperado. “O volume de vendas está 30% acima do esperado”, afirma Marcel Gholmieh, CEO da Wendy’s no Brasil, ressaltando que existe também o fator novidade, que sempre atrai o público. A maioria dos brasileiros, ele avalia não conhece bem a operação da Wendy’s, famosa no exterior pelos sanduíches quadrados.

A rede chegou ao Brasil não com o conceito de fast food, mas sim no fast casual, que mistura a comida rápida, mas com um serviço mais atencioso e a possibilidade de o cliente montar seu lanche, em vez de seguir cardápios fixos. Os talheres, pratos e copos não são descartáveis. E WIFI grátis também é desejado. A Wendy’s chegou ao Brasil trazida pelo grupo Infinity Services, que já opera aqui as marcas Hooters, Benihana e Jamie’s Italian. “Faltava uma marca de comida rápida no nosso portfólio”, afirma Gholmieh.

Gholmieh conta que o projeto de trazer a Wendy’s para o Brasil estava sendo desenvolvido há 4 anos, em outra fase da economia brasileira, portanto, mas somente agora ficou claro o momento de entrada. “A crise nos trouxe oportunidades em real estate. Não fosse esse cenário, pontos da qualidade que encontramos e nas condições que negociamos não iriam cair no nosso colo assim. A oportunidade imobiliária definiu nossa entrada”, resumiu .

A rede chegou por aqui um pouco tropicalizada, ele diz. O café da manhã não vai seguir o típico cardápio americano, mas será mais próximo ao pão na chapa oferecido pelas padarias brasileiras.

Para os hambúrgueres, o cliente pode escolher o tipo de pão que deseja para o lanche o que, de início, preocupou o grupo no exterior. “Os estrangeiros acharam que isso não seria viável, por conta da rapidez exigida no serviço. Mas está dando certo e as pessoas estão respondendo super bem à essa opção ”, diz. “Estamos investindo nesse nicho de comida rápida, mas de qualidade. O cliente que entra na Wendy’s tem a sensação de que está pagando um preço justo”, diz.

Michel Chaim, diretor da Taco Bell - gigante da comida mexicana, no Brasil - também destaca o acesso a pontos comerciais como um fator que motiva a entrada no país ainda este ano. “Nem tanto pelo valor dos alugueis, mas a luvas pagas pelos pontos comerciais estão sem dúvidas em valores bastante atrativos”, afirma.

Chaim diz que a rede não se enquadra exatamente no conceito fast food. “Nosso propósito é oferecer comida de qualidade, em ambientes agradáveis e a preço acessível”, diz. Segundo Chaim, o cardápio vai repetir as opções que a rede oferece lá fora. “ O público está pedindo exatamente os mesmos produtos que conhecem por já terem experimentado a rede Taco Bell lá fora”, afirma Chaim. O que pode acontecer é uma dosagem mais diferenciada na pimenta, para adequá-la ao paladar brasileiro.

A estratégia da rede passa por São Paulo, capital, que receberá as primeiras unidades até o final do ano, e depois interior do Estado. Só depois de consolidar a marca por aqui, deverá explorar outros Estados do país. Até 2020, o projeto prevê 100 lojas.

Uma das redes mais antigas do país, o Bob´s, que surgiu no Brasil há 64 anos e hoje conta com 1130 lojas, mantêm os planos de expansão. Marcello Farrel, diretor geral do Bob's, afirma que a empresa deverá abrir mais 100 unidades neste ano, repetindo o número de 2015.

Em 2014 o Bob’s iniciou a reforma de suas lojas, com mudanças na decoração e possibilidade de autoatendimento, também já atento a esse novo consumidor, mais exigente. “O cliente não quer mais aquele serviço padronizado, quer ele próprio escolher o que vai comer e montar ou escolher seu lanche, como faz nos restaurantes”, afirma Farrel.

A expectativa é que em 5 anos todas as lojas da marca estejam reformuladas. O crescimento de faturamento da rede tem sido de 10% ao ano nos últimos cinco anos. E neste ano, o grupo tem intensificado a expansão por cidades do interior do país. “Estamos fazendo um road show pelo interior do país, buscando interessados em representar nossa marca”, diz Farrel.

Neste ano, também o Burger King abriu um programa de franquias para interessados em operar a marca em cidades do interior. A rede conseguiu um novo sócio neste ano, o capital Group, que injetou 350 milhões de reais no caixa da companhia para que ela consiga manter a média dos últimos anos e abrir mais 100 lojas em 2016, alcançando 630 unidades.

O Burger King mantém o DNA fast food, mas procura martelar ao consumidor a qualidade de seus lanches - a rede quer que seu cliente acredite que está comendo na lanchonete a comida que tem em casa. O cliente também pode trocar o pão ou o molho de um sanduíche pelo de outro. As adaptações em relação à matriz são poucas.

A empresa ouviu as queixas sobre a qualidade de suas batatas, e fez testes no produto com consumidores até chegar àquela que caía no gosto do consumidor brasileiro. Hoje já consegue em vez de distribuir de graça como a maioria das redes, vender sachês de maionese em suas lojas, graças ao reconhecimento da qualidade do produto pelo cliente, medido via redes sociais.

Veja Também

Nossos múltiplos olhares sobre 2022
Revista Exame
Há 2 dias • 3 min de leitura

Nossos múltiplos olhares sobre 2022

Comida para frio: 6 restaurantes para aproveitar o clima
Casual
Há 3 dias • 5 min de leitura

Comida para frio: 6 restaurantes para aproveitar o clima

Uma startup de 11 anos e a marca pelo produto
Um conteúdo Bússola
Há 3 dias • 5 min de leitura

Uma startup de 11 anos e a marca pelo produto