Negócios

Quem são os patrocinadores da Copa do Mundo de 2022

Fifa conta com três modelos de cotas; valores transitam entre US$ 100 milhões e US$ 15 milhões

Na Copa do Catar, entidade deve faturar mais de US$ 6 bilhões e quebrar o recorde de 2018 (AFP/AFP)

Na Copa do Catar, entidade deve faturar mais de US$ 6 bilhões e quebrar o recorde de 2018 (AFP/AFP)

A Copa do Mundo começa neste domingo, 20, e as ações de marketing das marcas patrocinadoras devem começar a pipocar seja nas transmissões televisões e plataformas de streaming seja nas redes sociais.

A estratégia das empresas é potencializar a visibilidade das marcas para compensar os investimentos pesados que fizeram. Para esta edição, a estimativa é de que tenha recebido cerca de US$ 1,7 bilhão em acordos publicitários. O número é da Sports Value, empresa especializada em marketing esportivo.

Segundo o levantamento, a competição deste ano deve render à principal organização de futebol o montante de US$ 6,2 bilhões. O valor contabiliza os US$ 1,7 bi de patrocínios e ainda US$ 3,1 bi de receita com direitos de transmissão e US$ 1,4 com a venda de ingressos, camarotes e venda de produtos.

Para efeito de comparação, na Copa da Rússia, em 2018, até hoje a mais lucrativa da história, a organização registrou um faturamento de US$ 5,4 bilhões, segundo dados de relatório financeiro oficial.

Quais são as empresas

Para a competição, a Fifa trabalha com três tipos de cotas, sendo que o mais valioso é modelo de "parceiros da entidade". A categoria, para além da Copa, garante a presença das empresas em todos os eventos da entidade.

Reúne um grupo seleto composto por:

  • Adidas
  • Coca-Cola
  • Wanda Group
  • Hyundai-Kia
  • Qatar Airways
  • Visa
  • Qatar Energy

Os desembolsos para a Fifa giram em torno de uns US$ 100 milhões, de acordo com Amir Somoggi, managing director da Sports Value.

"São grandes anunciantes para poder bancar não somente os patrocínios, mas também as ativações. Para essas marcas, o gasto de ativação pode ser três a quatro vezes maior que o investimento. Se gasta US$ 100 milhões em uma cota, pode gastar outros US$ 300 para ativar", afirma.

O grupo reúne desde empresas com quem a Fifa tem acordos de longa data como a Adidas, parceira desde a década de 1970, até novatas. A Qatar Airways entrou em 2017 e a QatarEnergy em 2021, por exemplo, acordos associados com o fato de o país ser a sede da competição.

Em um segundo grupo, estão as "patrocinadoras oficiais da edição", marcas dispostas a pagar entre US$ 35 milhões e US$ 50 milhões por participação.

Quem está nos outros grupos

No Catar, a categoria reúne as americanas Budweiser e McDonald's, a cingapurense Crypto.com, a edtech indiana Byju e as chinesas Vivo (empresa chinesa de tecnologia e celulares, e não a brasileira Vivo), Hisense (eletrodomésticos e eletrônicos) e Mengniu (fabricação de laticínios e sorvetes).

O último grupo é formado por "parceiros regionais", modelo que permite que as marcas ativem a copa regionalmente. Foram criaram 20 cotas, quatro para cada parte do mundo segundo uma divisão criada pela entidade - 12 foram comercializadas.

Os valores para cada companhia ficam entre US$ 15 a 20 milhões, de acordo com o especialista.  

A América Latina está representada por: 

  • Claro
  • Nubank
  • UPL
  • Inter Rapidísimo

Europa:

  • Algorand

América do Norte e Central

  • Look Company
  • Algorand (a plataforma adquiriu cotas nas duas regiões)
  • Frito-Lay 

África e Oriente Médio: 

  • GWC
  • Ooredoo
  • QNB

Ásia-Pacífico:

  • BOSS Zhipin

LEIA TAMBÉM: 

    Acompanhe tudo sobre:Copa do MundoFutebol

    Mais de Negócios

    A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

    Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

    De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

    Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

    Mais na Exame