Negócios

Quem é Belmiro Gomes, o ex-bóia-fria por trás do gigante do atacarejo Assaí

Belmiro está há 35 anos no setor de alimentos, começando em uma rede paranaense, a Musamar, quando estava com apenas 15 anos de idade

Belmiro Gomes, CEO do Assaí. (Assaí/Divulgação)

Belmiro Gomes, CEO do Assaí. (Assaí/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de outubro de 2022 às 14h24.

Última atualização em 8 de outubro de 2022 às 14h43.

Nas últimas semanas, a agenda de Belmiro Gomes tem ficado ainda mais cheia. Além dos compromissos diários de um presidente de uma das gigantes do atacarejo do País, o Assaí, o executivo vem participando das aberturas das novas lojas da rede, muitas que são reflexo da aquisição dos 70 hipermercados do Extra agora convertidos para a nova bandeira. Apenas neste ano serão 40 lojas pelo País a ganhar o novo "traje". Na última sexta-feira, antes das 9h, o executivo já estava na inauguração de uma loja em Interlagos, zona sul de São Paulo. E o dia de trabalho, como de costume, só terminou 12 horas mais tarde.

"Quem vai a uma inauguração sempre vai se lembrar quando passar na frente da loja. E é preciso dar o exemplo", afirma o executivo, que chegou ao cargo em 2011, quando o Assaí tinha menos de 40 lojas e estava presente em poucas regiões do Brasil.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Ao longo de uma década esse número se multiplicou por cinco. Hoje, tem mais de 230 pontos de venda. E quem conhece Belmiro repete que o executivo é do tipo "barriga no balcão", conferindo a operação muito de perto. "Se continuar assim, pode ficar doente", diz um conhecido. Belmiro, contudo, diz ao Estadão que não há motivo para seu preocupação. Pai de quatro filhos e de dois enteados, Belmiro soube recentemente que será avô. E garante que os fins de semanas são quase sempre livres e dedicados à família.

Outra definição que sempre é associada ao executivo é o fato de ele ter conseguido fazer o Assaí virar um gigante sem perder o "espírito" do negócio: o custo enxuto, que permite preços mais baixos ao consumidor. Belmiro diz que sua origem humilde o ajuda a entender a importância de se vender barato. "Conseguir vender um produto com um preço 15% mais baixo sempre me fascinou", diz.

Nascido em Santo André, na Grande São Paulo, Belmiro se mudou para a cidade paranaense de Maringá aos 8 anos, depois que seu pai adoeceu e a mãe decidiu ficar mais perto de sua família. Irmão do meio de três filhos, o presidente do Assaí começou a trabalhar cedo, vendendo sorvetes, engraxando sapatos e até como boia-fria. "Tive minha primeira carteira assinada aos 13 anos", relembra.

Grande salto

O trabalho diário no Assaí tem rendido frutos. O feito do aumento das lojas se reflete hoje no valor da empresa. De uma empresa comprada pelo GPA, dono do Pão de Açúcar, por cerca de R$ 400 milhões (primeira parte adquirida em 2007 e o restante em 2009), a rede se transformou em uma gigante de valor de R$ 27 bilhões na Bolsa brasileira. O negócio foi separado do GPA e hoje já é um filhote maior do que a empresa-mãe, hoje avaliada em R$ 6 bilhões.

Belmiro está há 35 anos no setor de alimentos, começando em uma rede paranaense, a Musamar, quando estava com apenas 15 anos de idade. De lá, foi trabalhar no Atacadão, onde ficou por duas décadas. Ele chegou à rede antes mesmo de a varejista ser comprada pelo Carrefour, em 2007, por R$ 2 bilhões. O executivo, hoje com 50 anos, lembra toda a evolução do modelo do atacarejo no País - inicialmente, era um formato distante do consumidor e exigia cartão para compras. "No início, o modelo era muito espartano e nosso calcanhar de Aquiles era que não se tinha uma boa experiência de compra", lembra.

De lá para cá o modelo do atacarejo mudou. Belmiro afirma que atualmente 93% do sortimento dos hipermercados já é encontrado no atacarejo. Uma das lacunas fechadas recentemente foi a instalação de açougues nas lojas, uma demanda antiga da clientela. O executivo frisa que é necessário olhar de perto a necessidade de cada bairro onde está instalada a loja para se entender as necessidades de consumo. Por isso, algumas unidades têm até adega de vinhos.

Agora, ao entrar nos bairros, o Assaí não só se aproximará dos clientes pessoas físicas, mas também de pequenos negócios, como bares e restaurantes. Esses pequenos negócios não têm capital de giro para ter estoques, especialmente de produtos perecíveis, o que exige que seus donos façam compras várias vezes na semana.

Presidente da Sociedade Brasileira do Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra afirma que Belmiro tem demonstrado, ao longo de sua trajetória, disciplina estratégica de manter o modelo de atacarejo fiel à sua proposta original. "Os ajustes que ocorreram são muito finos. Manteve-se sortimento enxuto e grandes volumes para se conseguir ter uma equação de preço e boa margem", aponta.

VEJA TAMBÉM:
Assaí lança instituto e quer fomentar o empreendedorismo no setor de alimentação

Assaí acelera conversão de lojas do Extra e quer separar custo de expansão no balanço

Acompanhe tudo sobre:AssaiEmpresários

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame