Negócios

Assaí lança instituto e quer fomentar o empreendedorismo no setor de alimentação

Novo braço social terá ações de apoio ao esporte, segurança alimentar e também pequenos empreendedores de todo o país

Assaí: novo Instituto nasce para apoiar microempreendedores, esporte e alimentação (Paulo Whitaker/Reuters)

Assaí: novo Instituto nasce para apoiar microempreendedores, esporte e alimentação (Paulo Whitaker/Reuters)

Poucos setores concentram um coletivo tão numeroso de empreendedores quanto o de alimentação. De todos os novos negócios abertos em meio às fases mais agudas da pandemia, em 2020, os pequenos empreendimentos do setor alimentício representaram uma em cada dez novas empresas. Do pequeno varejo de alimentos em confeitarias e lanchonetes a microempreendedores individuais (MEIs), essas empresas somam mais de 440.000 negócios no país.

De olho no potencial desses pequenos negócios, o Assaí Atacadista, gigante do atacarejo com mais de 200 lojas espalhadas pelo país, lança neste mês o Instituto Assaí, braço social de apoio ao microempreendedorismo de alimentação no Brasil.

A proposta é que a instituição — independente e sem fins lucrativos — desenvolva uma série de ações em prol de pequenos comerciantes e microempreendedores individuais do setor. Na lista estão confeiteiros, proprietários de restaurantes e também ambulantes que comercializam produtos produtos para alimentação. Além das ações como organização, a intenção é fazer do Instituto também o braço social da rede atacadista, a partir da gestão conjunta e sinergia nas decisões de impacto tomadas pelos dois lados.

Para embasar sua atuação, o Instituto seguirá três pilares principais, definidos com base nas ações sociais do Assaí Atacadista nos últimos anos. São eles:

  • Empreendedorismo
  • Segurança Alimentar
  • Esporte

Para o pilar de empreendedorismo, são esperadas ações de apoio à Academia Assaí Bons Negócios, programa que capacita e premia pequenos comerciantes do setor de alimentação em situação de vulnerabilidade social e que agora passa a ser de jurisdição do Instituto. Nos últimos cinco anos, foram 28.000 pequenos empreendedores atendidos e certificados.

No programa de esportes, o Instituto irá auxiliar pequenas instituições promotoras de atividades esportivas, além de manter patrocínios a eventos esportivos com algum propósito social — desde 2019, por exemplo, a companhia é patrocinadora da Taça das Favelas, campeonato de futebol organizado pela Central única das Favelas (Cufa).

Já no pilar de alimentação, a proposta é reforçar programas de transferência de renda e alimentos a partir de doações e campanhas de arrecadação com clientes.

Segundo Sandra Vicari, diretora executiva do Instituto Assaí, o lançamento do braço social consolida metas de médio prazo do Assaí — a rede definiu um conjunto de metas ESG como parte de um compromisso social mais amplo até 2025. “O investimento social privado tem um papel fundamental no apoio às diferentes necessidades da sociedade. Por meio de ações que geram transformação, é possível oferecer oportunidades e contribuir com novos caminhos”, diz.

Parcerias em andamento

O Instituto já nasce com duas parcerias, responsáveis por coordenar as ações neste primeiro momento: a Aliança Empreendedora, que irá oferecer programas de capacitação e advocacy para microempreendedores, e também Pretahub, aceleradora dedicada ao empreendedorismo negro.

Processo de criação do Instituto

O processo criativo para a criação do Instituto Assaí e seus pilares para 2025 começou há pelo menos dois anos. Desde então, algumas etapas de pesquisa e diagnóstico envolveram mais de 30 especialistas nas três frentes de atuação pretendidas, além de uma análise mais apurada de ações semelhantes conduzidas por empresas de porte similar no mercado e workshops com funcionários da rede atacadista.

“Ampliaremos nossa atuação social e realizaremos os investimentos de forma ainda mais planejada e estruturada, ampliando o impacto do Assaí na vida das pessoas”, diz Vicari.

VEJA TAMBÉM

A startup feminina que quer acabar com a desigualdade de gênero nas empresas

Pequenos negócios geram 70% das novas vagas de empregos em julho

Acompanhe tudo sobre:AssaiEmpreendedoresEmpreendedorismo

Mais de Negócios

Essa fintech acaba de captar R$ 8 milhões para ajudar brasileiros a investir no exterior

Imóveis, cheques e itens de luxo são mais usados em crimes financeiros do que criptomoedas

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Mais na Exame