• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Qual é o futuro da Stellantis, dona de Fiat, Jeep, Citroën e Peugeot?

Empresa completou 1 ano com liderança no Brasil e 1/3 das vendas em 2021, mas há desafios para os próximos anos
Líder: Fiat Strada foi o veículo mais vendido do mercado brasileiro no último ano (Divulgação/FCA)
Líder: Fiat Strada foi o veículo mais vendido do mercado brasileiro no último ano (Divulgação/FCA)
Por Gabriel AguiarPublicado em 26/01/2022 10:37 | Última atualização em 28/01/2022 09:49Tempo de Leitura: 7 min de leitura

O Grupo Stellantis completou o primeiro aniversário, depois de juntar FCA (de Fiat e Jeep) à PSA (de Citroën e Peugeot) sob um mesmo guarda-chuva. E bastaram doze meses para se tornarem um dos maiores fabricantes de veículos do mundo: a empresa concentrou praticamente 1/3 das vendas no Brasil e na Argentina, além de liderar o mercado na América do Sul, com 811,6 mil unidades e 22,9% de participação no ano passado.

Com o sobe e desce do mercado, seu dinheiro não pode ficar exposto. Aprenda como investir melhor.

Segredo do sucesso

“Esse crescimento vertiginoso aconteceu enquanto outros fabricantes sofreram com ineficiência. No caso de General Motors e Volkswagen, ambas ficaram muito tempo sem produzir devido à falta de componentes durante a pandemia. Ninguém desafiou a Stellantis, que também trouxe novidades muito relevantes em termos de produto [como Fiat Pulse e Jeep Commander]”, diz Cássio Pagliarini, da consultoria Bright Consulting.

Enquanto o mercado brasileiro aumentou 3% no último ano – puxado pelos caminhões, que tiveram volume 42,8% maior quando comparado a 2020 –, a Fiat teve crescimento de 34% e ainda garantiu a liderança da Strada. E outras marcas da Stellantis também tiveram sucesso: a Jeep expandiu 35,1% e liderou entre SUVs; a Ram teve recorde de vendas e cresceu 87%; a Citroën subiu 73,2%; e a Peugeot mais que duplicou, com 118,9%.

“É verdade que a PSA mudou da água para o vinho. Isso porque as empresas francesas costumam ter operações mais burocráticas, mas isso mudou com a Stellantis. Quando colocaram fim aos entraves burocráticos de Citroën e Peugeot, o negócio passou a fluir e a dinâmica ficou diferente. Como parte de um grupo, também aumenta o budget para marketing e publicidade”, afirma Raphael Galante, da consultoria automotiva Oikonomia.

Peugeot 208 azul em movimento

Bons resultados: Peugeot mais que dobrou de volume em 2021 (Peugeot/Divulgação)

Outros problemas também foram resolvidos para ambos os lados com a formação da Stellantis: para a antiga FCA, faltavam modelos elétricos e híbridos para alcançar as metas de emissões no mercado europeu, enquanto a finada PSA conseguiu entrar no mercado norte-americano, principalmente nos Estados Unidos (ao qual ainda não tinha acesso). E existe participação da Dongfeng como acionista, que facilita a atuação na China.

Existe uma tendência para que a Stellantis se torne ainda mais gigante do que já é. E a próxima bola da vez poderá ser a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, que enfrenta um enrosco [desde as acusações contra o ex-presidente Carlos Ghosn, o mercado especula uma tentativa de ‘divórcio’ pelo lado dos japoneses] e eu aposto como possível aquisição. Mesmo porque o governo francês já tem ações da PSA e da Renault”, diz Galante.

Planos para o futuro

Se eletrificação era uma questão a ser resolvida na época da FCA, o grupo já confirmou investimento de 30 bilhões de euros – equivalente a mais de 184,23 bilhões de reais – para colocar em prática os planos para redução das emissões nos próximos três anos. E essas metas são ambiciosas: conquistar 40% do mercado de veículos com baixa emissão de poluentes nos Estados Unidos e 70% na Europa com os próximos lançamentos.

Parte do valor também será destinado à criação de softwares para conectar 34 milhões de veículos à internet até o fim desta década, praticamente três vezes mais que a frota atual, que tem 12 milhões de veículos conectados. Essa tecnologia deverá render 20 bilhões de euros (122,9 bilhões de reais) em receita anual graças à venda de serviços e assinaturas; recursos sob demanda; e até com seguros baseados nos dados recebidos.

De acordo com a estratégia antecipada pela própria Stellantis, a empresa se tornará uma plataforma de mobilidade sustentável, baseada em “ecossistema inovador e parcerias estratégicas”. De fato, o grupo já tem aliança com Automotive Cells Company; Factorial Energy; LG Energy Solution; Samsung SDI; e Vulcan Energy para desenvolvimento de tecnologias. Nos próximos 18 meses, estão previstos oito novos veículos elétricos.

FABRICA DA FIAT EM BETIMFoto: germano Lüders22/05/2014

Foco em tecnologia: próximos produtos da Stellantis serão conectados (Germano Lüders/Exame)

Também há parceria com a Foxconn, fabricante de componentes eletrônicos de Taiwan responsável pela fabricação do iPhone para a Apple em diferentes partes do mundo, para fornecimento de chips exclusivos. Os primeiros modelos equipados com esses sistemas só deverão chegar às ruas em 2024, mas a previsão é de que a companhia se torne responsável por fabricar 80% de semicondutores que serão utilizados na Stellantis.

Por fim, será criada uma nova arquitetura eletrônica nos próximos três anos para conectar unidades de controle dos veículos a supercomputadores, o que facilita atualizações de software e permite que novas funções sejam incorporadas, como é o caso de entretenimento com aplicativos baseados em inteligência artificial (que atuará desde o GPS até serviços de pagamento) e sistemas autônomos que dispensam a ação do motorista.

Gestão das marcas

Com a junção de FCA e PSA, a Stellantis tem 14 marcas no portfólio atualmente: Abarth; Alfa Romeo; Chrysler; Citroën; Dodge; DS; Fiat; Jeep; Lancia; Maserati; Opel; Peugeot; Ram; e Vauxhall. E, por ora, não há intenção de descontinuar nenhuma delas, de acordo com declarações de Carlos Tavares, CEO do grupo – e até receberam investimentos para desenvolvimento de novos veículos. Mas todas têm dez anos para provar resultados.

Bem diferente do sucesso no mercado brasileiro, o fabricante enfrente crise de longa data com duas “bandeiras”, já que a Chrysler está prestes a oferecer somente a minivan Pacifica (praticamente um setor de nicho), enquanto a Lancia vende apenas o compacto Ypsilon e está restrita à Itália. Também há dúvidas em relação a Alfa Romeo e Maserati, que seguem abaixo dos resultados da concorrência, apesar dos produtos novos.

“O maior perigo de marcas sobrepostas é não identificar corretamente o cliente. Se quiser fazer um produto generalista para enfrentar tudo ao mesmo tempo, não conseguirá. Ter um grande portfolio exige que o foco das empresas sejam bem-ajustados, porque permite economia em escala de itens que exigem volume para serem economicamente viáveis. É importante ter agrupamento conceitual e dar foco às marcas”, diz Pagliarini.

Novo Citroën C3

União de forças: nova geração do Citroën C3 terá motor da Fiat (Citroën/Divulgação)

No mercado brasileiro, a união de FCA e PSA tem trazido bons resultados, com reposicionamento da Peugeot como produto superior à Fiat e participação no desenvolvimento do próximo Citroën C3, que tem projeto indiano e será adaptado por aqui com ajuda dos italianos – que cederão inclusive o conjunto de motor e transmissão usado pelo Fiat Argo. No último ano, a Stellantis produziu seis dos nove carros mais vendidos aqui.

“No caso da formação do grupo, foi um ganha-ganha, porque a FCA se livrou do problema que teria com normas de emissão na Europa e a PSA entrou nos Estados Unidos. No Brasil, Peugeot e Citroën, que eram marcas nanicas, continuam sendo pequenas, mas já mudaram. Ter uma marca com 1% de vendas e dobrar o volume é sensacional. Com incentivo às vendas, inclusive às locadoras, as marcas ficam mais atrativas”, diz Galante.

O futuro do varejo é 100% digital? Entenda assinando a EXAME por menos de R$ 11/mês.