Negócios

O impacto da fusão entre AB InBev e SABMiller em imagens

Negociação levou quase um mês e a proposta da AB InBev precisou ser melhorada quatro vezes antes de ser aceita pela SAB Miller


	AB InBev: com fusão, gigante de cervejas conseguiria acesso ao mercado africano
 (Susana Gonzalez/Bloomberg)

AB InBev: com fusão, gigante de cervejas conseguiria acesso ao mercado africano (Susana Gonzalez/Bloomberg)

Luísa Melo

Luísa Melo

Publicado em 14 de outubro de 2015 às 17h42.

São Paulo - A maior cervejaria do mundo, Anheuser-Busch InBev, anunciou na terça-feira (13) que finalmente conseguiu chegar a um acordo para comprar a SABMiller, vice-líder na fabricação da bebida.

A negociação levou quase um mês e a AB InBev precisou melhorar a proposta quatro vezes antes de ela ser aceita pela concorrente.

A transação, avaliada em 68 bilhões de libras esterlinas (algo em torno de 104 bilhões de dólares ou 393 bilhões de reais) é uma das maiores já feitas na história, mas o acordo não chama a atenção apenas pelos valores.

Caso a fusão seja aprovada pelos órgãos reguladores, juntas, as duas empresas terão em mãos um terço de toda a produção mundial de cerveja.

A junção das companhias dará à AB InBev acesso à África, continente ainda não abraçado pela gigante, e também a regiões como o Leste Europeu, Escandinávia e América Central e a países como Colômbia e Nova Zelândia.

Já a SABMiller, que nasceu na África do Sul, poderá chegar ao Brasil, Bolívia, Cuba, Guatemala e Uruguai, por exemplo.

Nos mapas abaixo, entenda visualmente a grandiosidade do negócio.

* Foram destacados nos mapas os países onde as companhias têm fábricas e não apenas escritórios ou pontos de vendas

Acompanhe tudo sobre:ab-inbevbebidas-alcoolicasCervejasEmpresasEmpresas belgasFusões e AquisiçõesInfográficosLocalizaçãoMapasSABMiller

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame