Negócios

Multilaser investe R$ 14 milhões na "fábrica de software" Luby

O aporte na Luby é uma forma de a Multilaser começar a embarcar mais software nos seus mais de 5.000 produtos eletrônicos

Alexandre Ostrowieck, presidente da Multilaser: o executivo vê na Luby o potencial de crescimento de 1.000% em cinco anos (Germano Lüders/Exame)

Alexandre Ostrowieck, presidente da Multilaser: o executivo vê na Luby o potencial de crescimento de 1.000% em cinco anos (Germano Lüders/Exame)

CI

Carolina Ingizza

Publicado em 20 de maio de 2021 às 16h03.

Última atualização em 20 de maio de 2021 às 16h14.

A varejista de eletrônicos Multilaser anuncia um aporte de 14 milhões de reais na empresa de software brasileira Luby, fundada há 17 anos. Especializada no desenvolvimento de tecnologias para bancos e empresas de logística, a Luby opera como uma fábrica de software para cerca de 100 empresas clientes, empregando 150 funcionários. “Encontramos na Luby uma empresa muito capaz no desenvolvimento de software, mas que também consegue desenvolver talentos da programação no Brasil”, diz Alexandre Ostrowieck, presidente da Multilaser.

Saber formar desenvolvedores habilidosos é um diferencial em um mercado que cada dia mais disputa os talentos. A covid-19 empurrou as empresas para o mercado digital, mas a mão de obra não conseguiu acompanhar a demanda. Segundo um relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, o déficit de profissionais de tecnologia no país pode chegar a 260.000 até 2024. 

A estratégia da Luby foi abrir filiais em cidades como Cornélio Procópio, no Paraná, e em Manuas, no Amazonas, e recrutar os jovens ainda nas faculdades de tecnologia. "Percebemos que não adiantaria entrar na guerra de head hunter, então partimos para a formação", diz Alon Lubieniecki, fundador e presidente da Luby.

Os 14 milhões de reais da Multilaser representam um salto no poder de investimento da empresa, que faturou 9 milhões de reais no ano passado e não tinha, até então, um investidor externo. Com o capital, a startup planeja investir na contratação de talentos mais maduros, ampliar seus laboratórios de informática e expandir sua operação nos Estados Unidos — hoje, 50% do faturamento da empresa vem do mercado internacional. A expectativa da empresa é terminar 2021 com receita de pelo menos 22 milhões de reais e, em cinco anos, crescer 1.000%.

Para a Multilaser, o investimento faz parte de uma estratégia de se aproximar do mercado de software. Dona de mais de 5.000 produtos eletrônicos espalhados por 20 marcas próprias e nove licenciadas, a empresa pode se beneficiar ao ter uma companhia de software parceira. “Temos aparelhos de monitoramento de idosos, de controle para saúde, de segurança da casa. Enxergamos que cada vez vai ser mais importante ter bons softwares embarcados nesses produtos. No exterior, é o que as grandes marcas têm feito, mas no Brasil é raro ter indústria com braço de software desenvolvido”, diz Alexandre Ostrowieck, presidente da Multilaser.

As duas companhias trabalham para desenvolver os primeiros projetos conjuntos. "Vemos muito potencial em áreas como Internet das Coisas e soluções para varejo", afirma Alon Lubieniecki, fundador e presidente da Luby.

Na segunda-feira, 17, a Multilaser protocolou um pedido de oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). A companhia, que teve receita de 3,07 bilhões e lucro líquido de 451 milhões de reais no ano passado, informou por meio de prospecto que deve utilizar o dinheiro da oferta para reforço de caixa e amortização e liquidação de dívidas que totalizam 871,6 milhões de reais. Cerca de 15% deve ser destinado a potenciais aquisições. No alvo, estão empresas de bens não duráveis.

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

 

 

 

Acompanhe tudo sobre:Investimentos de empresasMultilaserStartups

Mais de Negócios

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Reconhecida pela Time como uma das melhores edtechs do mundo, a Vitru estreia na B3

Quatro amigos se juntam para vender pele sintética de tubarão. O motivo? Surfar mais rápido

Sebrae lança pesquisa inédita e autodiagnóstico sobre economia circular

Mais na Exame