Negócios

Menos Barbie, mais Mônica: crise faz brinquedos nacionais dominarem Natal

O preço dos brinquedos acumula alta de 9% em 12 meses, segundo o IPCA, o que impactou o planejamento para o Natal

Estação Turma da Mônica em shopping (foto de arquivo): inflação, dólar alto e frete são os principais fatores que têm encarecido os brinquedos (Estação Turma da Mônica/Divulgação)

Estação Turma da Mônica em shopping (foto de arquivo): inflação, dólar alto e frete são os principais fatores que têm encarecido os brinquedos (Estação Turma da Mônica/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de dezembro de 2021 às 08h58.

Última atualização em 20 de dezembro de 2021 às 11h03.

O consumo de brinquedos, um dos itens mais procurados nesse período de festas natalinas, também está sofrendo com os efeitos da inflação neste ano.

O dólar mais alto e o custo elevado de insumos e dos fretes, entre outros fatores, têm desafiado fabricantes e varejistas a adotarem estratégias para manter prateleiras abastecidas e produtos com preços competitivos. Antecipar compras e nacionalizar o portfólio foram algumas medidas adotadas.

Aprenda como investir seu dinheiro para realizar o sonho da casa própria! Comece agora.

Em 12 meses até novembro, o preço dos brinquedos acumula alta de 8,96%, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o professor de varejo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Ulysses Reis, entre os principais vilões dos preços de brinquedos neste ano estão o valor do dólar, a resina plástica utilizada na confecção dos produtos e o frete, que fazem com que os importados cheguem ao Brasil mais caros do que de costume. O especialista acredita que os brasileiros vão optar por presentes mais simples.

Para reduzir esse impacto da inflação, a importadora de brinquedos Sunny - detentora de marcas como Patrulha Canina, Playmobil e DC Comics - começou a pensar nas compras de Natal em março, quando fez as primeiras encomendas da data. Este foi o jeito que a empresa encontrou de amenizar os custos com frete e a variação cambial sem ter de repassá-los ao consumidor final.

"Mesmo com planejamento, tivemos de reduzir nossas margens de lucro para entregar uma oferta competitiva", diz a diretora de marketing da Sunny, Sharon Czitrom.

Outra solução encontrada pelas empresas foi nacionalizar o menu oferecido aos pequenos consumidores, afirma o fundador da fintech de crédito para importadores Vixtra, Leonardo Baltieri.

Na rede de lojas de brinquedos Ri Happy a opção foi investir menos em importados, como bonecas Barbie, e dar preferência a itens de desejo nacionais, como produtos dos youtubers Lucas Netto e Maria Clara, além de clássicos como a Turma da Mônica.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e tenha acesso ilimitado às principais análises do Brasil e do mundo.

Acompanhe tudo sobre:BarbieBrinquedosEXAME-no-InstagramNatal

Mais de Negócios

Previsão é que produção de calçados esteja normalizada no RS até fim de junho

Novo CEO do iFood: o crescimento não virá de novos negócios, mas do aumento da frequência

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Mais na Exame