Maior devedor do Bradesco responde por 0,9% da carteira

Banco reduziu a reserva de dinheiro para eventuais calotes no segundo trimestre

São Paulo – Em um momento em que o mercado tem dúvidas sobre o impacto de um eventual calote do Grupo EBX, de Eike Batista, nos bancos brasileiros, o Bradesco apresentou um detalhamento da concentração de suas operações, junto com os números do segundo trimestre.

De acordo com o banco, em 30 de junho, seu maior devedor representava apenas 1,1% da operação do Bradesco Múltiplo, ou 0,9% das contas consolidadas. Eram os mesmos percentuais de 31 de dezembro, embora o valor tenha subido de 2,5 bilhões para 2,6 bilhões no período.

Na mesma tabela, apresentada nas notas enviadas à Comissão de Valores Mobiliários, consta que os 100 maiores devedores do Bradesco totalizam 50,7 bilhões de reais, nas contas consolidadas, ou 16,6% do total de operações. Em 31 de dezembro, essa conta era de 48,9 bilhões, ou 16,8%.

Na divisão por ramo de atividade, a indústria responde por 19,1% das operações consolidadas de crédito, ou 58,4 bilhões de reais. O setor de refino de petróleo e produção de etanol (onde, eventualmente, poderia ser contabilizado um eventual financiamento para a OGX, a petroleira de Eike) totaliza operações de 4,4 bilhões de reais.

Já o setor de extração de minerais metálicos e não-metálicos, onde poderia se encaixar um eventual empréstimo para a MMX, a mineradora de Eike, representa 1,8 bilhão de reais.

Provisão menor

Os números divulgados pelo Bradesco nesta segunda-feira mostram uma redução no montante reservado a cobrir eventuais calotes. Tecnicamente, esses recursos são chamados de provisão para devedores duvidosos e baixaram para 3,094 bilhões de reais em 30 de junho, ante 3,1 bilhões no final de março, e 3,4 bilhões, em junho do ano passado.

O índice de inadimplência para devedores em atraso superior a 90 dias também baixou de 4,2%, no segundo trimestre de 2012, para 3,7% na comparação. A maior pressão vem de empréstimos para pessoas físicas, com 5,5% de inadimplência.

No relatório que acompanha as demonstrações trimestrais, o Bradesco destacou que a queda da inadimplência e das provisões contrastam com o aumento da carteira total de crédito, que subiu de 365 bilhões de reais, em junho do ano passado, para 402 bilhões no último mês.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.