Negócios

Lupatech tem duas unidades paralisadas por greve

Microinox e Steelinject representaram cerca de 9% do faturamento da empresa durante o primeiro semestre de 2010

Lupatech: não há valores devidos, segundo a empresa  (.)

Lupatech: não há valores devidos, segundo a empresa (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h41.

São Paulo - As atividades das unidades Microinox e Steelinject, da Lupatech foram paralisadas essa manhã. As duas unidades são do segmento metalurgia e estão situadas no mesmo parque industrial em Caxias do Sul - RS. Os motivos alegados para a paralisação estão relacionados ao acordo de participação nos resultados de 2010, firmado em 22 de junho desse ano.

Segundo a Lupatech, não há valores devidos a titulo de antecipação aos colaboradores "uma vez que não houve o cumprimento das metas mínimas estabelecidas no acordo para o período que compreende o primeiro semestre de 2010", informou a empresa em comunicado ao mercado.

As unidades paralisadas representaram cerca de 9% do faturamento e contribuíram negativamente em cerca de 3% na composição do EBITDA (lucro operacional antes dos juros, impostos, depreciação e amortização - LAJIDA) da Lupatech durante o primeiro semestre de 2010.

O acordo de participação nos resultados de 2010 foi firmado por representantes eleitos dos Empregados, representantes indicados pela empresa e pelo representante do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul, órgão que representa os colaboradores da Microinox e da Steelinject.

Leia mais sobre siderurgia e metalurgia

Acompanhe as notícias de Negócios do site EXAME no Twitter 

Acompanhe tudo sobre:América LatinaDados de BrasilEmpresasEquipamentos e peçasGrevesLupatechMáquinas e peçasSul

Mais de Negócios

Marqueteiro por trás dos copos Stanley retorna à Crocs

Morre Samuel Barata, controlador do grupo Drogaria São Paulo e Pacheco, aos 93 anos

Os desafios da evolução dos custos no sistema de saúde suplementar (e a luz no fim do túnel)

Por que essa empresa de energia está investindo mais de R$ 500 milhões em startups

Mais na Exame