Negócios

Lucro da Gazprom é afetado por Ucrânia

Produtora de gás deve enfrentar mais contratempos neste ano devido à disputa não resolvida com Kiev


	Gazprom: empresa registrou uma queda de 41% no lucro líquido do primeiro trimestre
 (Andrey Rudakov/Bloomberg)

Gazprom: empresa registrou uma queda de 41% no lucro líquido do primeiro trimestre (Andrey Rudakov/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de setembro de 2014 às 08h44.

Moscou - A russa Gazprom registrou uma queda de 41 por cento no lucro líquido do primeiro trimestre após o corte de preços para o fornecimento de gás à Ucrânia, com produtora de gás devendo enfrentar mais contratempos neste ano devido à disputa não resolvida com Kiev.

As contas de comércio "duvidosas" da Ucrânia, referência para as dívidas não pagas ou de lenta quitação pela estatal de gás Naftogaz no primeiro trimestre, forçaram a Gazprom a realizar uma baixa contábil de 71,3 bilhões de rublos (1,9 bilhão de dólares), disse a companhia.

A maior produtora de gás da Rússia afirmou que a Ucrânia agora deve à empresa 5,4 bilhões de dólares, uma dívida que vai ter impacto adicional para os lucros da companhia este ano.

Com poucos sinais de qualquer resolução para a disputa de preços com a Ucrânia, o impacto da decisão da Rússia de fechar as torneiras para seu vizinho poderá ser sentido por muito mais tempo, disseram analistas.

"A dívida da Ucrânia é de 5,4 bilhões de dólares. Eles poderão fazer a baixa contábil de toda a dívida, embora isso pareça pouco provável", disse Alexei Kokin, da corretora Uralsib. "Eu acho que no terceiro ou quarto trimestre ficará mais claro que eles vão ter que fazer mais baixas contábeis."

A empresa divulgou queda no lucro líquido do primeiro trimestre para 223 bilhões de rublos (6 bilhões de dólares). Analistas consultados pela Reuters esperavam lucro líquido de 263,6 bilhões de rublos.

A Gazprom disse que suas perdas com um rublo mais fraco foram de 172 bilhões de rublos no primeiro trimestre, alta ante os 22,6 bilhões de rublos no mesmo período do ano passado, enquanto o provisionamento para as negociações com a Ucrânia resultaram em um aumento nas despesas operacionais no primeiro trimestre.

As vendas de janeiro a março subiram para 1,56 trilhão de rublos ante 1,46 trilhão de rublos um ano antes.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaEmpresasEuropaGásGazpromIndústria do petróleoRússiaUcrânia

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame