Negócios

O Lobo de Wall Street é investigado por lavagem de dinheiro

Filme de Martins Scorsese estrelado por DiCaprio recebeu US$ 100 milhões de um fundo da Malásia, suspeito de irregularidades


	O Lobo de Wall Street: filme, estrelado por Leonardo DiCaprio, arrecadou US$ 400 milhões de bilheteria
 (Divulgação/Site oficial)

O Lobo de Wall Street: filme, estrelado por Leonardo DiCaprio, arrecadou US$ 400 milhões de bilheteria (Divulgação/Site oficial)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 2 de abril de 2016 às 16h05.

São Paulo – O polêmico O Lobo de Wall Street, filme de Martin Scorsese estrelado por Leonardo DiCaprio, é hoje protagonista de uma investigação de lavagem de dinheiro a partir de um fundo da Malásia.

Há aí duas ironias: o filme fez sucesso ao contar a história de Jordan Belfort, um corretor da bolsa de valores americana condenado a quatro anos de prisão por um caso de fraude; O Lobo de Wall Street foi censurado na Malásia pelas várias cenas de sexo e drogas que contém.

De acordo com uma matéria do WSJ, a obra demorou seis anos para ser feita porque os estúdios não estavam dispostos a investir milhões em uma história tão arriscada.

O aporte, estimado em US$ 100 milhões, veio então de milhares de quilômetros de distância: o fundo de desenvolvimento econômico da Malásia, o 1MDB.

Ele foi criado há sete anos pelo primeiro-ministro do país, Najib Razak, e atualmente é presidido pelo seu sobrinho, Riza Aziz, da Red Granite Pictures.

A empresa de Aziz, junto a outras, faria parte de um intrincado esquema de desvio de verbas para lavagem de dinheiro do fundo, que acumula uma dívida de US$ 11 bilhões.

Lançado em 2013, o Lobo de Wall Street arrecadou cerca de US$ 400 milhões nos cinemas e foi indicado a cinco categorias do Óscar, incluindo a de melhor filme.

Não há registro de nenhum repasse de lucro para o fundo ou para a Malásia. 

Acompanhe tudo sobre:ArteCinemaEntretenimentoFilmesLavagem de dinheiroLeonardo DiCaprioMalásia

Mais de Negócios

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Com solução para quem enfrenta o câncer, a Oncoclínicas&Co é eleita uma das Melhores do ESG

Empresa do Paraná que ajuda na cobrança de dívidas compra startup de Natal e mira R$ 100 milhões

Mais na Exame