Negócios

Lemann, Telles e Sicupira farão megacompra nos EUA, diz Veja

Segundo blog Radar On Line, trio captou 3 bilhões de dólares para uma grande aquisição

Lemann: junto com os sócios, empresário prepara uma nova investida nos Estados Unidos (BEL PEDROSA)

Lemann: junto com os sócios, empresário prepara uma nova investida nos Estados Unidos (BEL PEDROSA)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de outubro de 2012 às 10h43.

São Paulo – Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles, os conhecidos donos da AB Inbev, preparam mais uma aquisição bilionária, segundo o blog Radar Online, de Veja. O trio teria captado 3 bilhões de dólares para a operações.

De acordo com o blog, o trio aportou 600 milhões de dólares de seu próprio bolso. O restante foi captado com investidores interessados, como Eike Batista.

A trajetória de Lemann, Sicupira e Telles ganhou destaque internacional, quando fundiram a Ambev, maior cervejaria do Brasil, com a belga Interbrew em 2004, operação da qual saíram como os principais acionistas individuais do que veio a ser a Inbev.

No topo

Em 2008, os brasileiros capitanearam a compra da americana Anheuser-Busch por 50 bilhões de dólares – uma tacada que criou a AB Inbev, a maior cervejaria do mundo, dona de marcas como a tradicional Budweiser.

Em setembro de 2010, a empresa de investimentos do trio, a 3G, comprou a rede de fast food Burger King – a segunda maior dos Estados Unidos – por 3,6 bilhões de dólares. A rede, aliás, divulgou seus resultados trimestrais nesta segunda-feira. Os números mostram um tombo de 80% no lucro líquido do Burger King.

Acompanhe tudo sobre:Bilionários brasileirosCarlos Alberto SicupiraEmpresáriosFusões e AquisiçõesJorge Paulo LemannMarcel TellesPersonalidades

Mais de Negócios

Após falharem em 15 projetos, eles criaram uma startup de logística que está recebendo R$ 12 milhões

11 franquias baratas para trabalhar sem funcionários a partir de R$ 2.850

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Mais na Exame