Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

A mais de 12 mil quilômetros de distância, a Nova Zelândia tem muito a ensinar ao Brasil. A manter nossos cartões-postais naturais preservados, por exemplo, e a tornar os vinhos locais mundialmente respeitados. Ou a jogar rugby e a nos converter em um verdadeiro ímã global de turistas.

Com mais de 130 anos de atividade, uma marca de laticínios neozelandesa, a Anchor, incluiu mais um item à lista de possíveis ensinamentos. Quando o assunto é embalagem sustentável, ela virou uma referência para o Brasil e outros países.

Em 2020, a companhia lançou uma garrafa plant-based de 2 litros para a distribuição de leite. O recipiente é feito de cana-de-açúcar, que é importada do Brasil. Natural, renovável e de origem sustentável, a matéria-prima se apresenta como uma boa alternativa aos combustíveis fósseis, que servem de base para as garrafas tradicionais. Como a cana absorve CO2 da atmosfera à medida que cresce, a novidade da Anchor tem baixa pegada de carbono, além de ser 100% reciclável.

“Sabemos que a sustentabilidade é importante para os neozelandeses e queremos oferecer aos consumidores uma opção para fazer uma mudança definitiva: comprar um produto que venha numa embalagem mais sustentável”, disse Brett Henshaw, diretor geral da holding que controla a marca, quando a novidade foi lançada. “Também nos comprometemos em avançar em direção a energias renováveis nos transportes e na indústria e em encontrar formas de gerir e reduzir as emissões em toda a cadeia de abastecimento”.

A marca está comprometida a trabalhar só com embalagens 100% recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis até 2025. Em conjunto com seus parceiros de reciclagem, ela está trabalhando para que todas as embalagens da Anchor possam ser amplamente coletadas e recicladas. ​

Uma das parcerias foi firmada com a startup neozelandesa Future Post. Ela transforma as garrafas de leite da Anchor e outros tipos de plásticos macios em postes próprios para cercas. Cada poste do tipo, com cerca de 1,8 metro de altura e durabilidade de até 50 anos, é confeccionado com 220 garrafas de leite da marca e 1.700 sacos plásticos. Outra iniciativa visa transformar as embalagens da Anchor em caixotes.

Inicialmente, por questões logísticas, a Anchor limitou as garrafas plant-based à ilha norte da Nova Zelândia, onde se encontram Auckland e a capital, Wellington. Cerca de 300 mil unidades são produzidas por mês em 2015, no Brasil, a Coca-Cola também lançou uma garrafa feita de cana de açúcar.

A Anchor optou pela variedade de 2 litros pois se trata de uma das mais populares no país se os consumidores aprovarem a opção sustentável, ela poderá ser ampliada para outros produtos. As embalagens plant-based são recicláveis, mas não biodegradáveis. Os locais de compostagem da Nova Zelândia, por sinal, não dariam conta de lidar com os grandes volumes de garrafas de leite produzidos no país.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Ele tinha uma missão: tirar o milkshake do lugar de coadjuvante. Agora, fatura R$ 210 milhões

seloNegócios

Ele tinha uma missão: tirar o milkshake do lugar de coadjuvante. Agora, fatura R$ 210 milhões

Há 19 horas

Justiça dos EUA aceita parte de pedido da Gol, que acusa Latam de tentar tomar aviões e pilotos

seloNegócios

Justiça dos EUA aceita parte de pedido da Gol, que acusa Latam de tentar tomar aviões e pilotos

Há 20 horas

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

seloNegócios

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

Há um dia

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

seloNegócios

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas
EXAME Agro

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais