Lazari: mudança da velocidade da vacinação é a peça-chave para a economia

O executivo considerou ainda que os ciclos de "abre e fecha da economia são ruins" à medida que geram dúvida sobre a continuidade das tendências

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, afirmou que a mudança na velocidade da vacinação dos brasileiros é a peça-chave para a para a construção mais rápida de um cenário positivo para a economia. Acelerar a imunização, em que pese o choque de oferta global, precisa ser uma meta do Brasil e de todos os países, na sua visão.

Quer investir na Bolsa mas não sabe como? Confira o curso IniciAção: Primeiros Passos Para Investir na Bolsa, de EXAME Academy

"Estamos chegando aos 20% da população vacinada em primeira dose no ritmo possível. Isso pode ser intensificado. A mudança da velocidade da vacinação é a peça-chave para a construção mais rápida de um cenário positivo da economia", disse Lazari, em comentário a imprensa, feito em paralelo à análise de resultados do banco no primeiro trimestre.

O executivo considerou ainda que os ciclos de "abre e fecha da economia são ruins" à medida que geram dúvida sobre a continuidade das tendências, embora sejam a realidade do País. "A prioridade é proteger vidas e controlar a expansão da pandemia. E quanto mais gente imunizada, menores serão os períodos desse vai e vem da economia", afirmou.

O Bradesco tem, conforme o executivo, "visão construtiva" com a economia brasileira e com o ambiente macro. Para ele, o primeiro trimestre representou um "início de ano melhor que o esperado", o que gera uma expectativa positiva para o futuro, sobretudo com a possibilidade da aprovação das reformas administrativa e tributária. "Há muito potencial de crescimento, um exemplo é o crescente volume de novos investimentos nos setores de varejo e startups", destacou o presidente do Bradesco.

Nesse sentido, afirmou que o banco está focado em se posicionar corretamente no ambiente concorrencial gerado pelos novos entrantes. Do lado do Bradesco, a aposta para competir com os rivais, como fintechs e empresas de outros segmentos, é o Next, banco digital do conglomerado.

O Pix e o Open Banking são outras variantes desse novo momento, segundo Lazari. "São instrumentos orientados pelo Banco Central e precisam ser valorizados pelos seus aspectos de dar agilidade e eficiência no atendimento ao cliente. São propostas que recebem nosso apoio e adesão, obviamente", concluiu.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.