Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Fintech de coleta de resíduos na periferia capta R$ 10 milhões com fundo do Grupo Solví

A startup Coletando deve ampliar o modelo de negócios e entrar em outras áreas. Para isso, está em negociações com prefeituras com prefeituras, supermercados e condomínios residenciais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ricci, da Coletando: precisamos ter mais ecopontos para que todas as pessoas tenham locais de descarte adequados (Coletando/Cauã Pereira/Divulgação)

Ricci, da Coletando: precisamos ter mais ecopontos para que todas as pessoas tenham locais de descarte adequados (Coletando/Cauã Pereira/Divulgação)

M
Marcos Bonfim

Publicado em 28 de dezembro de 2022 às, 06h05.

Última atualização em 28 de dezembro de 2022 às, 14h02.

A Coletando, fintech que atua com reciclagem em comunidades periféricas, recebeu aporte de R$ 10 milhões. O dinheiro veio da Smartie, fundo de venture capital do Grupo Solví criado em 2020, e será utilizado para expansão e aceleração dos serviços oferecidos pela empresa.

Além do aporte financeiro, a negociação contempla o apoio da Solví com mentoria de especialistas e líderes do grupo, acesso à estrutura tecnológica, experiência de mercado e ao portfólio de clientes.

"Escolhemos a Coletando por ela ser uma startup com um modelo de negócio escalável e com princípios alinhados à sustentabilidade totalmente em sintonia com os valores da Solví, pois é uma empresa que promove a economia circular e gera diversos impactos ambientais e sociais positivos", afirma Ariane Mayer, head de inovação aberta e sustentabilidade do Grupo Solví.

Desde o lançamento do Smartie, a fintech é a primeira a receber investimento. As outras selecionadas dentro do desafio criado pelo fundo foram contratadas para oferecer os seus serviços à companhia

A Coletando opera com um modelo que alia sustentabilidade à geração de renda e à inclusão social. Ela nasceu em 2008 quando Saulo Ricci decidiu largar a carreira de 15 anos como profissional de tecnologia, sua área de formação, para empreender. A motivação foi o nascimento da filha e a ambição: fazer algo bom para o mundo.

Qual é a conexão com a periferia

Criado na Cidade d'Abril, região periférica de São Paulo próxima ao Jaraguá, Ricci cresceu vendo a mãe fazer da coleta de material reciclável uma fonte de renda extra para auxiliar dentro de casa. Quando decidiu empreender e gerar impacto, a reciclagem foi o que falou mais alto.

Para estruturar um modelo de negócios, foi ao Rio de Janeiro, terra natal de parte da família, para conhecer mais de perto a realidade das cooperativas locais, o desafio de coleta nas comunidades, e o dia o dia de quem puxa as carroças pela cidade.

Em 2009, o negócio começou a andar e, em parceria com concessionárias fluminenses, implementou o primeiro projeto com descontos na conta de luz, a partir da entrega de material reciclado nos ecopontos em comunidades, territórios onde as empresas de energia queriam fortalecer os pontos de contato e de comunicação com os moradores.

O formato foi trabalhado por alguns anos, mas os moradores reclamaram da falta de liberdade no uso do dinheiro. A virada no negócio veio em 2020, quando a Coletando virou uma fintech, com a contratação de um sistema de bank as a service. O avanço das tecnologias financeiras permitiu que a empresa colocasse em prática o desejo cultivado desde 2016.

Como funciona o modelo de negócio da Coletando

A reformulação, com a criação de conta digital e cartão de crédito, deu liberdade de uso do dinheiro aos catadores profissionais e demais moradores das comunidades que reciclam os materiais e levam até os espaços da Coletando. Com a conta, eles conseguem:

  • pagar contas
  • realizar saques
  • fazer transações via pix

Além disso, a startup passou a oferecer microcrédito e, com o aporte, o objetivo é ampliar a oferta de serviços no app, agregando planos de saúde e odontológicos mais em conta.

Atualmente, a Coletando tem 12 ecopontos, espaços que são geridos por cooperativas ou por pessoas físicas.

Chamadas de “franqueadas” por Ricci, essas pessoas ou entidades são selecionadas a partir de critérios internos e de ONGs parceiras e viram pequenos empreendedores. Uma vez escolhidas, passam por treinamentos sobre reciclagem e todo o sistema que movimenta o ecoponto.

“O empreendedor se torna um multiplicador de conscientização ambiental. Ele vai nas escolas da região e faz um trabalho de educação ambiental, ensinando como devem separar os materiais. É muito legal você ver a pessoa entrando tímida, vulnerável e com medo deste mundo novo e depois ela se empoderar e ter propriedade para falar sobre reciclagem, educação ambiental e inclusão social”, afirma Ricci.

Do valor movimentado por mês, os empreendedores pagam 15% de comissão para a Coletando. Em geral, a renda mensal dos empreendedores fica acima de R$ 2 mil e, em alguns casos, superam os R$ 6 mil. Mensalmente, os ecopontos movimentam cerca de 100 toneladas.

A criação dos ecopontos, com valor estimado em R$ 150 mil, é financiada por clientes da Coletando, entre elas:

  • Ambev
  • iFood
  • Tetra Pak
  • P&G

“Elas compram os ecopontos para favorecer uma cooperativa ou um empreendedor informal que trabalha na comunidade. E o nosso trabalho é instalar os ecopontos, treinar as cooperativas ou catadores da franquia social para que possam gerar renda para eles como empreendedores e para quem está entregando os materiais”, diz.

Como retorno, os materiais descartados são direcionados para os clientes, a depender do ambiente de negócios de cada um. A Ambev, por exemplo, fica com o vidro, e a Tetra Pak com as embalagens longa vida.

Além disso, os volumes coletados entram nos indicadores de ESG das companhias e da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que dispõe sobre a responsabilidade compartilhada entre empresas e entes públicos no cuidado com os resíduos.

Quais os próximos passos da startup

Hoje a Coletando está presente em:

  • São Paulo
  • Rio de Janeiro
  • Paraná
  • Minas Gerais

Com o aporte do Grupo Solví, a Coletando se prepara para expandir a sua atuação geográfica para os seguintes estados:

  • Bahia
  • Espírito Santo

Outra fronteira é começar a levar o modelo para outras áreas. A startup está em conversas avançadas com prefeituras para implementar o sistema e também com redes varejistas e condomínios.

“Nós entendemos que o modelo cabe para todos. Precisamos ter mais ecopontos para que todas as pessoas tenham locais de descarte adequados”, afirma. Ricci tem como sócia-fundadora a esposa Nayane Silva, e Thayanne Ferreira como sócia e CHRO. 

Diego Nicoletti, Grupo Solví; Thayanne Ferreira, da Coletando; Ariane Mayer, Grupo Solví; Saulo Ricci, Coletando; Nayane Silva, Coletando; e Celso Pedroso, Grupo Solví

Na projeção do sócio-fundador para 2023, a Coletando deve acelerar o ritmo de implantação de ecopontos e colocar mais 40 na rua.

Essa ampliação mais forte contribuiria para mais do que dobrar o faturamento em 2023, previsto em R$ 7 milhões. Em 2022, os números devem fechar em R$ 2,5 milhões.

LEIA TAMBÉM

Marca de barras de proteína investe R$ 35 milhões em fábrica e mira receita de R$ 500 milhões

Escola de tecnologia de tricampeão brasileiro de robótica capta mais de R$ 23 milhões

Puma lança primeira megaloja e avisa: “estamos em uma fase de expansão”

Últimas Notícias

Ver mais
Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

seloNegócios

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

Há 17 horas

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

seloNegócios

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

Há 2 dias

Varig, Vasp, TransBrasil: o que aconteceu com as companhias aéreas que dominavam os céus do Brasil

seloNegócios

Varig, Vasp, TransBrasil: o que aconteceu com essas cias aéreas brasileiras

Há 2 dias

De estagiário a CEO: as lições e os planos do novo líder da WEG, um gigante de R$ 140 bi

seloNegócios

De estagiário a CEO: as lições e os planos do novo líder da WEG, um gigante de R$ 140 bi

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas
EXAME Agro

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais