Negócios

Em live relâmpago da WePink, Virgínia vende R$ 4,6 milhões em 20 minutos

Com descontos de até 70%, influenciadora vendeu mais de 30 mil produtos da sua marca de cosméticos WePink

Samara Pink e Virginia Fonseca, sócia da WePink: marca conta com 14 quiosques próprios (WePink/Divulgação)

Samara Pink e Virginia Fonseca, sócia da WePink: marca conta com 14 quiosques próprios (WePink/Divulgação)

Isabela Rovaroto
Isabela Rovaroto

Repórter de Negócios

Publicado em 10 de junho de 2024 às 12h00.

Última atualização em 10 de junho de 2024 às 13h40.

Quantos milhões é possível ganhar em poucos minutos? A influenciadora Virgínia Fonseca realizou no último sábado, 8, a primeira live relâmpago da sua marca de beleza e cosméticos WePink. Com descontos entre 60% a 70%, a influenciadora faturou R$ 4,6 milhões em 20 minutos no e-commerce. Ou seja, a empresa faturou R$ 230 mil por minuto.  

De acordo com extrato divulgado pela influenciadora nas redes sociais, foram vendidos mais de 30 mil produtos com ticket médio de R$ 151.

A promoção também aconteceu nos 14 quiosques próprios da marca. Com 47,1 milhões de seguidores no Instagram, Virgínia compartilhou imagens de filas gigantes em shoppings centers para comprar perfumes e body splashes da WePink em promoção. Por lá, o faturamento foi de cerca de R$ 253 mil.

Quem são as fundadoras da WePink

A marca de cosméticos WePink foi fundada em 2020 pela influenciadora Virgínia Fonseca e a empresária Samara Pink.

Virginia Fonseca começou sua carreira no YouTube compartilhando sua rotina. Casada com o cantor Zé Felipe, mãe de duas filhas e grávida do terceiro filho, a criadora de conteúdo de 25 anos é sócia da WePink e de outros empreendimentos, como a agência de influenciadores Talismã Digital e a marca infantil Maria's Baby.

A administradora Samara Pink é fundadora da rede de franquias de extensão de cílios Pink Lash. A empresária adotou "Pink" como sobrenome e construiu a marca ao lado do marido, Thiago Stabile, CEO e sócio da WePink.

Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal Exame Empreenda

Como a WePink foi criada

O número de influenciadoras com marcas próprias não para de crescer. Com autoridade e milhares de seguidores, as criadoras de conteúdo se transformaram em empresárias ao longo dos anos.

A ideia da marca surgiu após a influenciadora ter problemas com acne durante a gestação da sua primeira filha, Maria Alice. Virgínia resolveu se juntar a Samara Pink, que já atuava no mercado estético. O faturamento no primeiro mês de vida da WePink, segundo Virgínia, foi de R$ 10 milhões.

O primeiro produto da marca foi um “sérum 10 em 1”, que prometia desempenhar funções diversas concentradas em um único produto. Menos de três anos depois, o site tem disponíveis dezenas de itens, entre eles produtos de skincare e perfumes.

A empresa, que já foi alvo de algumas polêmicas na internet, já faturou R$ 378 milhões em apenas dois anos, segundo as sócias.

REVISTA EXAME: Cimed, a empresa do barulho: os planos da farmacêutica para chegar aos R$ 5 bilhões em receitas

Estratégia de vendas da WePink

A WePink é famosa por apostar no live commerce para promover a venda de produtos. A empresa começou com lives de 12 horas, onde faturou 26,5 milhões de reais.

Além de promoções relâmpago nos stories da influenciadora, a WePink adota como estratégia de venda lives em datas especiais.

As vendas via live commerce, que aliam entretenimento ao e-commerce, estão cada vez mais populares e presentes na estratégia de marketing de marcas com forte apelo no digital.

Apesar de não ser uma ideia nova, as transmissões ao vivo nas redes sociais têm o potencial de favorecer o comércio online em larga escala, além de reforçar comunidades com a aproximação direta entre marcas, vendedores e consumidores.

Acompanhe tudo sobre:Redes sociaisInfluenciadores

Mais de Negócios

Mounjaro, rival do Ozempic, deve chegar ao Brasil? Veja preço

Brasil tem o mais alto nível de insegurança ecológica e climática do mundo

Distribuidoras de energia vão investir R$ 130 bilhões no Brasil até 2027

Construtoras do RS se juntam para fazer uma casa a cada dois dias — todas para doar

Mais na Exame