Acompanhe:
seloNegócios

Ele vai movimentar R$ 1,5 bilhão fazendo moradias "de luxo" para pessoas de baixa renda

O empresário tem 1.200 unidades em andamento e quer expandir para fora do estado de São Paulo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Bruno Sindona: "Você vai num bairro rico e os prédios são todos iguais, todos beges, cinzas ou pretos. Onde está o Brasil nisso? Parece a cor do Darth Vader" (Sindona/Divulgação)

Bruno Sindona: "Você vai num bairro rico e os prédios são todos iguais, todos beges, cinzas ou pretos. Onde está o Brasil nisso? Parece a cor do Darth Vader" (Sindona/Divulgação)

O apartamento é colorido e tem 90 metros quadrados. Alguns, são até duplex. Na área em comum, há piscina com toboágua e borda infinita, lareiras, quadra de futebol, bosque e deck molhado. A descrição bem que poderia ser de um condomínio de alto padrão, mas na verdade, é de um projeto Minha Casa, Minha Vida e custa uma média de R$ 250.000.

Por trás desse projeto está a construtora Sindona, tocada pelo empresário Bruno Sindona, que vem de uma tradicional família de Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Sua bisavó, Maria Julio Sindona, foi uma das principais e mais influentes fazendeiras da região nas primeiras décadas do século 20. Foi também a primeira mulher da cidade a tirar a carta de motorista, em 1928. 

Mas os cofres polpudos que a família tinha foram esvaziando. “Meu avô e meus tios-avôs não souberam lidar com a riqueza, e acabaram perdendo bastante dinheiro”, diz Bruno. “Para minha mãe e meus tios, ficou um terreno, que era a casa de final de semana da minha avó”. 

Esse terreno foi vendido para uma incorporadora, que iria construir um prédio no local. A construção, de fato, aconteceu, mas a empresa faliu antes da obra ficar pronta. Bruno e seu pai, que tinha um salão de cabeleireiro e um estacionamento, decidiram usar as economias e concluir o edifício. O ano era 2008. 

“Em 13 de setembro de 2008 fiz o lançamento desse negócio, mas foi meio frustrante”, afirma “As coisas deram errado para nós por alguns meses, porque não estavam comprando as unidades. Mas, alguns meses depois, o governo lança o Minha Casa, Minha Vida, dando condições boas de compra. Isso fez com que o mercado ficasse bastante consumidor, e ajudou no nosso lançamento”.

Foi o primeiro projeto da Sindona Construtora. Nos anos seguintes, Bruno e o pai compraram outros prédios inacabados e terminaram a construção. Agora, também constróem do zero. Desde o início da operação, já foram 1.000 unidades entregues. Outras 1.200 estão em andamento, com um valor geral de vendas de 1,5 bilhão de reais. 

A incorporadora, que mantém a sede em Osasco, constrói prédios populares, para programas habitacionais, mas quer se diferenciar na arquitetura dessas construções. A ideia, segundo o empreendedor, é deixar os edifícios com a cara de “construções de luxo”.  

“Um empreendimento popular geralmente é quadrado, bege, básico”, diz Bruno. “Por que não colocar uma cor? Fazê-lo de uma maneira alegre, focando na beleza? Isso ajuda na democratização de espaços. Olha o que acontece na periferia na relação dos cabelos das mulheres. Mulheres que colocam cores, formas. Isso é busca de identidade. Queremos dar identidade para os apartamentos também”. 

Como são os “prédios de luxo”

É difícil olhar para o portfólio de projetos da Sindona e encontrar um único prédio que não seja colorido. A maioria tem faixas, quadros ou pontos de variadas cores, como azul, amarelo e verde. 

“As pessoas de baixa renda tem uma busca por pertencimento muito grande, e isso está ligado às cores”, diz Bruno. “Os carros no Brasil são super coloridos, os artistas que usam cores, como Kobra, Tarsila do Amaral e Romero Britto, são sucesso. O que a Sindona se diferencia é nesse olhar. Você vai num bairro rico e os prédios são todos iguais, todos beges, cinzas ou pretos. Onde está o Brasil nisso? Parece a cor do Darth Vader”. 

Mas não é só na cor que a construtora foca para “embelezar” os condomínios populares. As áreas em comum dos prédios também são focadas para dar um senso de comunidade e fazer com que os moradores aproveitem o que adquiriram.

Há casos de projetos com:

  • Piscina de borda infinita
  • Cuidado para que todos apartamentos tenham iluminação natural
  • Bosques
  • Sauna
  • Deck molhado
  • Horta comunitária
  • Espaço luau
  • Solarium 
  • Piscinas

“O desafio é fazer isso economicamente viável, porque se não for assim, não conseguimos fazer”, diz Bruno. “Para isso, precisamos ter um mercado amigo. Termos fornecedores parceiros, gestão de custos e organização certa para os custos caberem dentro de um programa Minha Casa, Minha Vida”. 

Projeto da Sindona em Cotia

Qual o futuro da Sindona

Bruno vem traçando sua carreira pensando em moradia popular, e já ganhou prêmios por isso. Além disso, foi convidado pelo governo federal para participar do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável. 

Com a construtora, quer avançar para fora de São Paulo e seguir crescendo.

“Não tenho vontade de ter a maior incorporadora do Brasil”, diz. “Mas quero ser um desenvolvedor de comunidades. A comunidade é o jeito de desenvolver a pessoa de baixa renda. Pras classes mais altas, isso é absurdo. Para a periferia, isso é a coisa mais natural do mundo. As pessoas só conseguem se desenvolver coletivamente. Diretor comercial é amigo de bairro, diretor de engenharia é meu primo. Eu não conseguiria ter uma incorporadora se fosse contratar pessoas do mercado, a gente só conseguiu porque foi uma construção coletiva”. 

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
CEO da Uber diz que precisa reconquistar lealdade dos motoristas "todos os dias"
seloNegócios

CEO da Uber diz que precisa reconquistar lealdade dos motoristas "todos os dias"

Há 3 horas

"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no Brasil para ser a TI das empresas
seloNegócios

"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no Brasil para ser a TI das empresas

Há 18 horas

Jensen Huang, fundador da Nvidia, fica R$ 41,5 bilhões mais rico em menos de 24 horas
seloNegócios

Jensen Huang, fundador da Nvidia, fica R$ 41,5 bilhões mais rico em menos de 24 horas

Há 20 horas

Chega de teoria: veja, na prática, como criar um negócio do zero utilizando ferramentas de IA
seloNegócios

Chega de teoria: veja, na prática, como criar um negócio do zero utilizando ferramentas de IA

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais