Dona da 99, "Uber chinesa" deve chegar a US$ 100 bilhões na bolsa de NY

Didi Chuxing deverá abrir o capital em julho com expectativa de se tornar o maior IPO da história
 (Jason Lee/Reuters)
(Jason Lee/Reuters)
Por Gabriel AguiarPublicado em 15/04/2021 17:58 | Última atualização em 15/04/2021 17:59Tempo de Leitura: 3 min de leitura
2016-05-13T021539Z_412326261_S1BETDSNPRAA_RTRMADP_3_APPLE-CHINA

DIDI CHUXING: empresa chinesa escolheu a bolsa de Nova York para abrir o capital (Jason Lee/Reuters)

Talvez a chinesa Didi Chuxing seja mais conhecida pelos brasileiros como dona da 99 – e por investir em outras empresas de transporte no mundo, inclusive a norte-americana Lyft. Eis que, três anos depois de fechar negócio por aqui, a companhia se prepara para abrir o capital na bolsa de Nova York em julho, já com expectativa de se tornar a maior oferta pública inicial de ações (IPO) da história.

Fundada em 2012, a gigante asiática fundiu com a concorrente Kuaidi Dache (que tinha como principal investidor o site de buscas Baidu) apenas dois anos depois e se tornou a maior empresa de transporte por aplicativo do mundo. Desde então, comprou a filial chinesa da Uber, em 2016, e recebeu aporte do Alibaba. E assim se tornou a segunda maior startup da China e da Ásia, atrás da Xiaomi.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Invest Pro

De acordo com apuração da Reuters, o valor de mercado da Didi Chuxing pode chegar a 100 bilhões de dólares. Para efeito de comparação, quando estreou em Wall Street, há dois anos, a Uber teve valor de mercado estimado em 82,4 bilhões de dólares. Para a rodada de investimento em Nova York, a chinesa escolheu a assessoria dos bancos Goldman Sachs e Morgan Stanley, assim como a rival.

Mesmo com a tensão entre EUA e China, a companhia declinou da possibilidade de ofertar as ações na bolsa de Hong Kong, como estava previsto ano passado. Essa decisão foi tomada para reduzir os riscos de medidas regulatórias em relação a veículos sem licença para transporte de passageiros e motoristas com jornadas de meio período, mas também pela presença de pares como Uber e Lyft.

Com apoio de grandes investidores asiáticos, como SoftBank, Alibaba e Tencent, a Didi Chuxing prepara a entrada no mercado europeu como parte dos planos de expansão – no país de origem, já tem quase o monopólio do setor de transporte e inclui até opção de ônibus em algumas cidades. Por sua vez, deverá investir em mobilidade com veículos autônomos e elétricos na Ásia nos próximos anos.