Acompanhe:
seloNegócios

Donos do Rock in Rio criam aceleradora de startups

Grupo Dreamers tem 16 empresas, como o próprio Rock In Rio, Artplan e Dream Factory. Agora eles apostam em nova frente que transforma expertise do grupo em produto, voltado para empreendedores

Modo escuro

Continua após a publicidade
Rock in Rio: grupo dono do festival acaba de inaugurar nova empresa, a Dreamers Festival (Rock in Rio/ Instagram/Divulgação)

Rock in Rio: grupo dono do festival acaba de inaugurar nova empresa, a Dreamers Festival (Rock in Rio/ Instagram/Divulgação)

V
Victor Sena

Publicado em 8 de fevereiro de 2022 às, 07h00.

Última atualização em 8 de fevereiro de 2022 às, 11h17.

Durante a pandemia, o grupo do qual o Rock In Rio faz parte mudou de nome, cresceu de 13 para 16 empresas e agora está apostando em acelerar startups.

Antes conhecido como Artplan, o Dreamers tem sob o guarda-chuva o festival de música, a agência de comunicação batizada também de Artplan e a produtora Dream Factory. Só para ficar nas mais famosas. Todas as outras empresas também parte do universo do entretenimento ou da comunicação.

A mais nova delas foi batizada de Dreamers Village. O objetivo é levar um pouco do know-how das empresas do grupo para o mercado, principalmente para novos empreendedores e startups.

O grupo define a nova frente de negócios do Dreamers como uma aceleradora de startups.

"Queremos acelerar negócios que precisem das nossas skills. A gente tem um grupo com 900 pessoas, que fazem de tudo um pouco, que vai desde o maior festival de música do mundo até uma agência de comunicação. Vamos aportar negócios que precisem da gente", resume o presidente do grupo, Rodolfo Medina.

O executivo explica que a pandemia teve um fator determinante para a então Artplan "se tornar" a Dreamers e também para as empresas funcionarem como "ecossistema". Só assim, a ideia de ensinar a expertise delas combinada começou a ser pensada.

"A pandemia alinhou todo mundo pela dor. Os problemas passaram a ser os mesmos nas nossas empresas. Até antes eles não eram. Quando começamos a atuar para colocar todo mundo em casa, criar a estrutura, criar as condições, começamos a ver a potência desse time conectada. A pandemia talvez tenha sido o gatilho para uma estrutura do Dreamers Village nascer dessa forma. Não tava no nosso pipeline. Ela surge a partir da clareza de que no nosso ecossistema somos complementares para acelerar determinados tipos de projetos", conta Medina.

Rodolfo é filho de Roberto Medina, o criador do festival Rock In Rio, na década de 80. Para tocar o projeto do Dreamers Village, o Grupo escolheu Eduardo Bicudo.

Bicudo foi CEO do Dentsu Group no Brasil e exerceu também a função de diretor-executivo da Accenture Interactive na América Latina. Por 14 anos, ele foi CEO da Wunderman.

"O grupo tem um DNA muito empreendedor. Além do Rock In Rio e Artplan, foram criadas outras empresas. O grupo é profícuo em criar coisas novas. O grande problema para startups não costuma ser ter as ideias, mas sim em executar. Existe uma simbióse entre uma corporação como a nossa e uma startup porque nós temos grande poder de execução e temos conexões com clientes e mercado", explica Bicudo.

Rodolfo é filho de Roberto Medina, o criador do festival Rock In Rio, na década de 80 (Dreamers/Divulgação)

Nas palavras do CEO da nova empresa, a Dreamers vai "emprestar para as startups todo o capital intelígivel de fazer e executar".

Esse know-how que Medina e Bicudo se referem vão desde grandes eventos produzidos pela Dream Factory, como o Carnaval de Rua do Rio de Janeiro, até a plataforma para pequenos anunciantes Aceleraí, que também do Dreamers.

Para Bicudo, a chegada de futuros empreendedores que vão buscar o poder de execução do Dreamers ajudará o próprio grupo.

"Isso beneficia todo o ecossistema porque uma corporação nao vive sem um núcleo de inovação. Quando a gente olha para a Dreams Village, isso é um serviço para a nossa carteira de clientes também".

Em 2019, antes da pandemia, o faturamento do grupo tinha sido 1,5 bilhão de reais. No primeiro ano da pandemia, em 2020, foi 30% menor.

 

Últimas Notícias

Ver mais
'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio
Tecnologia

'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio

Há 17 horas

A substituta: o que faz a Deco.cx, a startup carioca vencedora do Web Summit Rio 2024
seloNegócios

A substituta: o que faz a Deco.cx, a startup carioca vencedora do Web Summit Rio 2024

Há 2 dias

“Startups brasileiras sem ambição de serem globais, não têm chance de fazer IPO”, diz Domo.VC
seloNegócios

“Startups brasileiras sem ambição de serem globais, não têm chance de fazer IPO”, diz Domo.VC

Há 2 dias

Após captar R$ 530 milhões, startup mineira compra novo negócio para acabar com o trauma do RH
seloNegócios

Após captar R$ 530 milhões, startup mineira compra novo negócio para acabar com o trauma do RH

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais