Negócios

Comprada pelo Itaú em 2019, empresa de TI de MG que fatura R$ 1,1 bilhão planeja operação nos EUA

A Zup pretende focar em clientes de dois segmentos: modelo SaaS e mercado financeiro

Pierobon: tem muitas oportunidades no mercado porque muitas indústrias não estão "super" digitalizadas e transformadas (Zup/Divulgação)

Pierobon: tem muitas oportunidades no mercado porque muitas indústrias não estão "super" digitalizadas e transformadas (Zup/Divulgação)

A empresa de tecnologia Zup está de malas prontas para iniciar o processo de internacionalização e escolheu o mercado dos Estados Unidos como primeiro destino.

A companhia já abriu firma no país e está decidindo em qual ou quais cidades terá escritório. Com modelo remoto, seguindo o que já utiliza hoje com os seus 3200 funcionários, pretende usa o espaço como ponto de encontro entre os colaboradores.

Adquirida pelo Itaú em 2019 por montante superior a meio milhão de reais, a empresa atua no desenvolvimento de sistemas de integração, transformação digital das companhias e com soluções de código aberto. Em sua trajetória, estão marcas como Natura, Vivo, Algar e Serasa.

Como a empresa cresce

Para este ano, projeta um faturamento de R$ 1,1 bilhão aqui no Brasil. O valor é gerado, majoritariamente, a partir do trabalho de consultoria que desenvolve para companhias em mercados como financeiro, telecomunicações, logística e varejo, que lideram as demandas.

A área responde por cerca de 80% e inclui desde a ideia dos projetos até a estratégia de crescimento. “Nós temos uma pegada bem tech, de organizar cloud, as stacks de desenvolvimento, metodologias. Somos uma empresa bem nerd”, afirma Bruno Pierobon, CEO e fundador da empresa.  

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Para chegar aos Estados Unidos, a empresa tem como foco oferecer as suas soluções para dois segmentos inicialmente, companhias que trabalham no modelo SaaS (Software as a service) e as do mercado financeiro.

Quais as oportunidades

“Várias indústrias não estão super transformadas e digitais. Eles investem muito lá, têm muita mais grana do que no Brasil, obviamente, mas têm muita oportunidade. Eu ainda acho que tem muita coisa que o Brasil faz melhor do que eles”, afirma o executivo.

A companhia já enviou alguns colaboradores brasileiros o país, que serão responsáveis por promover a cultura da companhia, baseada no pilar de colaboração. E está em processo de contratação de profissionais locais que possam contribuir para com o relacionamento e networking com potenciais clientes.

Além disso, estuda o desenvolvimento de parcerias como uma das formas de acelerar o processo de entrada. “O grande objetivo no ano que vem lá é conseguir alguns cases de ponta mesmo. Projetos que mostrem como os nossos produtos criaram resultados para os clientes dessas empresas e ajudaram a transformar a experiência de uso”, diz.

Como a Zup queria mudar o jeito de fazer compras

A Zup, fundada em Uberlândia, Minas Gerais, chegou ao mercado em 2011. Enquanto trabalhava na Algar, onde ficou por quase seis anos, Pierobon teve a ideia de criar o que seria a “centralizadora de compras no mundo”.

Havia companhias que mostravam a comparação de preços dos produtos em diferentes estabelecimentos e o usuário pode clicar, sendo direcionado para o e-commerce desejado. A proposta da Zup era iria além, colocando um "botão' para que o internauta fizesse a transação diretamente em um site.

Para isso, criou um mecanismo que conseguia integrar os e-commerces da época sem a necessidade de habilitações por parte dos times de tecnologias das marcas.

O modelo foi negociado com um grande player do mercado, mas enfrentou resistência de varejistas. A solução centralizada, afinal, diminuía o tráfego de usuários para os sites das varejistas.

Diante das dificuldades impostas pelo mercado, a empresa viu a oportunidade de oferecer as suas tecnologias para o B2B, ajudando no processo de integração e digitalização dos sistemas de grandes companhias.

Leia também:

Após ouvir muitos "não", ele montou um negócio que investe R$ 115 milhões em energias renováveis

Quem é Belmiro Gomes, o ex-bóia-fria por trás do gigante do atacarejo Assaí

Em 2014, pivotou, movimento que fez com que a empresa desse uma guinada e começasse uma trajetória de crescimento contínuo, sempre dobrando anualmente tanto em faturamento quanto em número de pessoas, conta Pierobon.

Como é a relação com o Itaú

Adquirida em 2019, a Zup se mantém como uma operação separada e trabalhando para diversos clientes, incluindo o próprio banco.

“Hoje, o Itaú tem uma demanda muito grande, investe muito em tecnologia e estamos nos principais projetos ajudando a acelerar a transformação do banco, que tem uma galera com uma visão muito boa”, afirma.

A relação, segundo o executivo, ajuda a elevar “a barra” da tech, que pode ter o maior banco da América Latina como cliente piloto dos seus produtos e soluções.

“É uma oportunidade única. Por isso, eu não tenho muito medo de falar que o nosso produto será melhor que lá fora”, diz o executivo, que começou a mexer com tecnologia aos 12 anos, quando o pai resolveu abrir um provedor nos primórdios da internet.

Mais de Negócios

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Baré, Fruki, Coroa, Jesus: conheça os refrigerantes de guaraná que bombam pelos estados do Brasil

Mais na Exame