Negócios

China tinha 340 unicórnios até o final de 2023, revela relatório da Hurun

Com 340 unicórnios registrados até o final de 2023, o país asiático ocupa o segundo lugar, logo atrás dos Estados Unidos, segundo o Índice Global de Unicórnios 2024 divulgado pelo instituto

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 9 de abril de 2024 às 17h58.

No cenário global das startups, a China reafirma sua posição como um epicentro de inovação e empreendedorismo, revela o relatório mais recente da Hurun Research Institute. Com 340 unicórnios registrados até o final de 2023, o país asiático ocupa o segundo lugar, logo atrás dos Estados Unidos, segundo o Índice Global de Unicórnios 2024 divulgado pelo instituto.

A ascensão vertiginosa dessas empresas, startups fundadas após 2000 com avaliações superiores a US$ 1 bilhão e ainda não listadas na bolsa de valores, reflete a resiliência e o dinamismo do setor empresarial chinês. Em média, mais de uma nova empresa unicórnio surgiu por semana na China ao longo do último ano, um testemunho do ambiente propício ao empreendedorismo e à inovação no país.

Setores como inteligência artificial (IA), semicondutores e novas energias lideram o grupo de unicórnios chineses, demonstrando um foco claro em tecnologias de ponta e soluções inovadoras.

Especialistas da indústria destacam que o crescimento do número de unicórnios chineses está alinhado com os objetivos econômicos do país de promover novas forças produtivas de alta qualidade, o que promete impulsionar ainda mais a segunda maior economia do mundo.

Segundo Wang Peng, pesquisador associado do Instituto de Ciências Sociais de Pequim, “O aumento no número de unicórnios chineses e sua participação nos unicórnios globais reflete o dinamismo e a força tecnológica da economia chinesa.”

Entre os unicórnios chineses mais proeminentes está a ByteDance, a empresa por trás dos populares aplicativos de compartilhamento de vídeo Douyin e TikTok, avaliada em cerca de US$220 bilhões. Outras empresas notáveis incluem o braço financeiro do Alibaba, Ant Group, a varejista de moda rápida Shein. e o banco digital da Tencent, WeBank.

Além disso, 18 unicórnios chineses listados no relatório Hurun de 2022 realizaram ofertas públicas iniciais (IPOs) no ano passado, um número significativamente maior do que nos Estados Unidos e em outras regiões do mundo.

Wang atribui esse sucesso ao forte apoio do governo chinês à inovação e ao empreendedorismo, bem como à imensa demanda do mercado interno, que oferece vastas oportunidades para o desenvolvimento dessas empresas.

Globalmente, o total de unicórnios atingiu a marca impressionante de 1.453 no ano passado, com os Estados Unidos liderando a lista com 703 unicórnios, seguido pela China e Índia. O valor combinado dessas empresas ultrapassou os US$5 trilhões, equivalente ao PIB do Japão em 2023.

À medida que o mundo se divide em três grandes centros de inovação – os Estados Unidos, a China e o resto do Mundo – os unicórnios continuam a desempenhar um papel crucial no impulsionamento da economia global, com promessas de avanços significativos em setores como IA, novas energias e biotecnologia.

Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: East Money

Acompanhe tudo sobre:ChinaUnicórnios

Mais de Negócios

OPINIÃO: Quando a água baixar, precisamos manter a mobilização

O que essas sete empresas fazem para serem um exemplo de gestão — e como replicar no seu negócio

BRF Pet, Cobasi, Petlove e Petz: Como essas marcas estão ajudando os animais no Rio Grande do Sul?

O fenômeno Shopee: por que o marketplace se tornou o queridinho dos brasileiros

Mais na Exame